Como a indústria pode aquecer o mercado imobiliário?

O mercado financeiro é conhecido por sempre possuir uma conexão entre todos os seus lados e o maior exemplo disso são os exemplos de como as notícias internacional podem influenciar os valores das cotações das ações nacionais e internacionais, ao menor sinal de risco para os investimentos os investidores retiram o seu dinheiro e isso possui um grande impacto em todas as formas de investimentos. 

Porém da mesma forma que as notícias podem ter esse poder outras coisas podem influenciar de maneira positiva o mercado financeiro e hoje vamos aprender sobre várias formas de como isso pode acontecer.

Existe uma lista muito extensa de formas que notícias e construções podem influenciar de uma maneira boa todos os mercados internacionais, porém hoje vamos focar nossa análise em como o resto do mercado pode influenciar de maneira positiva o mercado imobiliário e a primeira delas é como a indústria pode ajudar o mercado imobiliário a se aquecer. 

 

Fatores do Mercado Imobiliário

A primeira vista esses dois elementos do mundo financeiro aparentam estar bem distantes um do outro porém quando começamos a analisar de forma mais profunda começamos a descobrir várias conexões que realmente justificam até uma preocupação antecipada por parte do mercado imobiliário com esse mercado, vamos entender a razão disso. Para explicar melhor essa situação é necessário pegar como exemplo uma situação hipotética onde será construída uma planta fabril que vai produzir e preencher latinhas de cerveja em uma cidade do interior de qualquer estado do Brasil. Como estamos tratando de uma cidade do interior devemos entender que existem poucas pessoas que moram lá e por consequência existem poucos empreendimentos imobiliários e também poucos hotéis.

 

Continuando a análise dessa situação hipotética a construção dessa fábrica, por exemplo uma gigante como a Ambev e também a sua operação vai demandar uma quantidade gigante de mão de obra especializada e como nós estamos tratando ainda de uma cidade do interior será necessário trazer toda essa mão de obra de alguma cidade grande dos arredores ou no caso de engenheiros de cidades ainda mais distantes e a maior pergunta de todas aparece agora, onde todas essas pessoas vão viver e se hospedar? Essa pergunta explica bem o ponto que estamos querendo chegar aqui agora.

 

O mercado imobiliário local deve estar sempre observando todas as oportunidades mesmo que estejam muito a frente pois ele deve estar preparado para receber todas essas pessoas assim que elas chegarem para participar da construção da fábrica e também deve estar preparado para manter as pessoas que vão viver na cidade pois vão trabalhar nessa mesma fábrica depois que ela estiver pronta. Falando em termos mais técnicos e citando alguns sites especializados no assunto é possível afirmar que durante a construção da fábrica o mercado deve preocupar-se em oferecer aluguel de curto e médio prazo, isso acontece pois muitas pessoas vão embora depois do fim da construção da fábrica e por conta disso o mercado imobiliário deve estar preparado para oferecer vários contratos de venda  que vão vigorar durante o período da construção (período esse que costuma durar entre 12 e 24 meses).

 

Como falamos acima é necessário que o mercado esteja focado em fornecer contratos de aluguel nesse primeiro momento pois se o mercado começar a construir casas para vender essas casas não vai ser vendidas pois os compradores sabem que vão embora em questão de meses e com isso a cidade vai ficar cheia de casas vazias para vender e o número de pessoas que vai ficar para trabalhar é consideravelmente menor do que o número de pessoas necessários para a construção.

 

Agora que já entendemos como o mercado deve se comportar durante a construção da fábrica nós já podemos começar a entender como o mesmo deve se comportar depois da construção dessa fábrica e vamos ver que é justamente o oposto que deve ser feito. 

 

O Mercado Financeiro

Enquanto na primeira parte dessa construção o mandamento era somente contratos de alguém, agora o mercado deve preocupar-se em construir novos empreendimentos para conseguir vender as casas que vai construir ou até que construir junto com o andamento da construção da fábrica. 

 

Isso acontece pois depois que todas as pessoas que vieram para construir a fábrica foram embora ficaram somente as pessoas que vão trabalhar e manter a fábrica funcionando e essas pessoas sim vão necessitar de uma moradia para longo prazo e como sabem que vão ficar morando nesse local por um bom tempo elas podem se comprometer com um financiamento bancário e assim comprar a sua casa própria. Por exemplo, com uma casa no Condomínio Alphaville Barra.

 

Um último cuidado que deve ser tomado principalmente quando for o caso de construção de fábricas de empresas internacionais é  a atenção para o setor hoteleiro também. Essa atenção é necessária pois quando estamos tratando de empresas de fora do Brasil vários representantes dessa empresa deverão vir periodicamente para acompanhar o andamento da obra, para dar as diretrizes de padronização dessa planta com todas as outras, para negociar contratos com o governo local e por conta disso o setor hoteleiro deve estar preparado também para receber essas pessoas importantes em hotéis que tenham qualidade suficiente para fazer isso. Devemos lembrar que se essa cidade do interior não possuir esses hotéis de luxo será necessária a construção desses hotéis também e novamente isso vai afetar o setor imobiliário da região pois são mais pessoas para construir e trabalhar no hotel.

 

Então, dessa forma podemos resumir essa primeira análise de hoje dizendo que sim a indústria pode afetar de forma positiva e negativa o mercado imobiliário local, com isso aprendemos que o mercado imobiliário deve sempre estar atento a todas as oportunidades mesmo que elas sejam criadas por um mercado totalmente diferente como o da indústria de produção.

 

E-mail profissional: 5 dicas para comunicação profissional por e-mail

E-mail profissional: 5 dicas para comunicação profissional por e-mail

Mais de 215 bilhões de e-mails comerciais são enviados e recebidos todos os anos – o correio eletrônico é incontrolável. Quem envia e-mails para o trabalho deve, como acontece com o correio comercial em papel timbrado, também prestar atenção ao formulário, pois com a comunicação por e-mail você pode fazer muita coisa certa e ainda mais errada.

O endereço de e-mail como figura de proa

Antes de enviar um e-mail profissional, você deve obter um endereço de e-mail respeitável. Para ser franco: os endereços como Yahoo são proibidos na vida profissional (não por lei), porque você tem a impressão de que não deu muita atenção ao seu negócio. 

Ao pesquisar um nome, não se deve usar apelidos ou piadas. Qualquer um que use siggi.wuschel@gmx.br não será levado a sério. É melhor se você optar por um endereço de e-mail com seu próprio nome de domínio, como doreen.haller@berlinjob.br. Pergunte a grandes provedores como 1&1 e verifique quais endereços de e-mail ainda estão disponíveis. Geralmente é menos complicado do que você pensa.

A linha de assunto deve ser significativa

Quem envia um e-mail comercial deve ir direto ao assunto, ou seja, informar ao destinatário de forma breve e concisa do que se trata o e-mail. Se a linha de assunto for significativa, o destinatário poderá encontrá-la mais rapidamente ao pesquisar um e-mail – mesmo que não se lembre imediatamente do nome do remetente. 

Uma linha de assunto significativa parece profissional e não parece uma “solicitação de tempo livre”. Muitos clientes de e-mail também permitem que você defina um lembrete caso tenha esquecido a linha de assunto.

Se você não chegar ao ponto, você acaba no cesto de papéis

Nos negócios de hoje, tantos e-mails são recebidos que as caixas de entrada de e-mail estão transbordando. A saudação é tão importante quanto uma carta em papel, mas se você não quer arriscar que sua correspondência vá parar no lixo imediatamente, deve ir direto ao ponto na primeira frase e evitar a todo custo longas apresentações. Resuma todas as informações importantes e formulá-las de forma breve e clara. E use uma saudação educada no final

A assinatura é profissional é exigida

No caso de um e-mail comercial, é essencial garantir que a assinatura no final do e-mail esteja correta. O nome da empresa e do responsável e o endereço comercial não podem faltar – são obrigatórios! 

Os anexos devem ter nomes curtos

Muitos e-mails hoje são enviados em transações comerciais com anexos que contêm fotos ou documentos. O e-mail deve informar ao destinatário que o e-mail possui anexos. 

Os documentos anexos também devem ser mantidos o menor possível, ou seja, enviados em formato compactado (máximo de 3 a 4 MB). Os arquivos PDF são os melhores, pois a maioria dos programas de e-mail enviam esse formato sem problemas. Existe a possibilidade de ter um e-mail profissional gratuito, é saber procurar e analisar bem! 

7 dicas de negócios verdes para ajudar a tornar sua empresa ecologicamente correta

Você esperaria que uma empresa com um nome como  Nature Nate’s Honey Co.  fosse um negócio bem verde. E de acordo com o CEO Nathan Sheets, a empresa, que produz mel 100% puro, cru e não filtrado, faz jus ao seu nome ecológico.

“Nós nos concentramos no meio ambiente e nas pessoas dentro dele”, diz Sheets. “A Nature Nate’s usa práticas sustentáveis ​​de negócios verdes em nossas instalações de produção e escritórios, melhora a saúde das abelhas e devolve os lucros às comunidades carentes”.

A Native Trails  é outra empresa focada no meio ambiente. A fabricante sustentável de cozinhas e banheiros conquistou recentemente  a certificação B Corp , designação dada a empresas que atendem a determinados padrões de desempenho social e ambiental.

“As ações de nossa empresa exemplificam nosso nome”, diz a fundadora e CEO da empresa, Naomi Neilson. “Nós nos esforçamos para causar um impacto positivo no meio ambiente e nas pessoas que nele vivem.”

Você pode verificar também como uma consultoria ambiental pode te ajudar na criação de uma empresa verde.

Benefícios de administrar um negócio verde

Neilson descobriu que seus funcionários gostam de trabalhar para uma empresa verde que se preocupa com o meio ambiente.

“Saber que eles estão trabalhando para um escritório ecologicamente correto aumenta o moral dos funcionários e ajuda a atrair novos talentos, especialmente millennials”, diz ela.

Inscreva-se para ficar à frente com nosso boletim informativo uma vez por semana, Business Class: The Brief. Espere insights e inspiração escolhidos a dedo para pequenas empresas – direto para sua caixa de entrada.

Parte superior do formulário

Se inscrever

Ao fornecer seu endereço de e-mail, você concorda em receber o Business Class: The Brief Newsletter da American Express. Para obter mais informações sobre como protegemos sua privacidade, leia nossa Declaração de privacidade.

Parte inferior do formulário

Mas mesmo que o nome da sua empresa não pareça verde, há benefícios em administrar um negócio verde. Mike Lash, fundador da  Denver Advertising, também descobriu que administrar um negócio verde afeta positivamente sua força de trabalho.

“Os benefícios de sermos  social e ambientalmente conscientes  são evidentes em nossa empresa, principalmente com nossa iniciativa de transporte para o trabalho”, diz Lash. “Aqui em Denver, temos mais de 300 dias de sol por ano, então recompensamos os membros de nossa equipe por irem de bicicleta para o trabalho pagando pelos ajustes de bicicleta. Se eles vão para o trabalho em determinados dias, também pagamos o almoço. ”

A iniciativa de bicicletas da empresa beneficia muito o meio ambiente e os funcionários, continua Lash.

“Andar de bicicleta é bom para a saúde física dos funcionários. Além disso, ao praticar atividades regulares, os funcionários têm a cabeça mais clara, o que  reduz o estresse  e ajuda nos ciclos de sono, criando uma atitude mais otimista e consciente.”

Gerir um negócio verde também pode beneficiar as relações com os clientes, acrescenta Jason Hunt, proprietário da  Hunt’s Services, uma empresa de serviços de ar condicionado, eletricidade e canalização.

“Uma vez que promovemos o uso de produtos de limpeza de alta eficiência, naturais e ecologicamente corretos, os clientes apreciam que nos preocupamos com o meio ambiente e sua saúde”, diz Hunt. “Também incentivamos o uso de aparelhos com maior eficiência energética, que podem reduzir os custos de energia do cliente em 50 a 80 por cento.”

Tornar-se verde também pode reduzir o consumo de água e eletricidade para sua empresa, acrescenta Stephen Lewis, diretor técnico do  milliCare Floor & Textile Care , um  sistema com certificação Green Seal  projetado para usar menos energia e água do que os métodos convencionais de limpeza.

“Reduzir as contas de serviços públicos melhora o resultado final”, diz ele.

Ser um negócio verde é certo para sua empresa?

Antes de fazer a transição para um negócio verde, é uma boa ideia analisar as consequências de fazê-lo, aconselha  Barry Breede , autor de  Transforming the Utility Pole  e diretor de inovação e marketing da  Koppers Utility & Industrial Products , que fabrica postes de madeira.

Solução do produto

Um novo conjunto de serviços para o seu negócio

O American Express Business Platinum Card® pode ajudá-lo a atualizar sua tecnologia, formar sua equipe e obter as soluções que sua empresa precisa. Desbloqueie mais de US$ 1.000 em valor por ano com créditos de extrato para compras selecionadas, inclusive com parceiros como Dell Technologies, Indeed e Adobe termos se aplicam.

“A transição para um  modelo de negócios verde  não é algo a ser feito simplesmente porque parece certo do ponto de vista ambiental”, diz Breede. “Tornar-se ecologicamente correto pode rapidamente tornar-se proibitivo em termos de custos. Operar um negócio verdadeiramente verde significa tomar decisões de negócios que criam valor ambiental e econômico de suas atividades.”

Breede sugere examinar estrategicamente o valor econômico e ambiental de buscar uma iniciativa, alinhando a iniciativa com suas estratégias de negócios mais amplas.

“Se houver alinhamento”, diz ele, “então as chances são boas, é uma iniciativa que criará valor real em vários níveis”.

Depois de determinar que administrar um escritório ecologicamente correto faz sentido para sua empresa, considere os seguintes métodos de negócios verdes.

  1. Comece com uma auditoria ambiental.

“Considere consultar um serviço externo de auditoria ambiental”, diz Breede. “Essa empresa pode sugerir uma variedade de mudanças, como reduzir as contas de energia elétrica, mudando para um sistema de iluminação baseado em LED e migrando para copos e recipientes reutilizáveis”.

  1. Use materiais recicláveis.

Quanto mais materiais recicláveis ​​você usar, mais ecologicamente correto seu escritório poderá ser.

“Usamos garrafas 100% recicláveis ​​e sem BPA para o nosso mel”, diz Sheets. “Os rótulos são biodegradáveis ​​e nossos pacotes de mel são 100% recicláveis. Nossas caixas de transporte são feitas com material 100% reciclado e 100% recicláveis. Os resíduos gerados no local são reciclados, como caixas, materiais de embalagem, papel, garrafas e cápsulas.”

  1. Reaproveite ou redesenhe seus produtos.

“As empresas podem ver reduções drásticas em seus custos operacionais internos ao redesenhar como seus produtos são feitos ou descartados”, diz Breede. “Em muitos casos, produtos que chegam ao fim de seu ciclo de vida útil podem ser reaproveitados como matéria-prima na criação de um novo produto, economizando dólares consideráveis ​​anteriormente alocados para a compra de material virgem.”

Neilson concorda.

Operar um negócio verdadeiramente verde significa tomar decisões de negócios que criam valor ambiental e econômico de suas atividades.

—Barry Breede, diretor de inovação e marketing da Koppers Utility & Industrial Products

“Como fabricante de produtos, o maior impacto que causamos está na forma como nossos produtos são feitos e nos materiais que usamos”, diz ela. “Sempre procuramos materiais que possam ter uma segunda vida. Reavaliamos continuamente nossos métodos de embalagem de produtos para melhorar seu quociente de sustentabilidade. Por exemplo, estamos considerando uma máquina que tritura papelão usado em material de embalagem.”

  1. Coloque lixeiras de reciclagem em todo o escritório.

“Como uma empresa verde, percebemos que nossos funcionários querem reciclar, mas tivemos que torná-lo conveniente para eles, então colocamos recipientes de reciclagem em todo o escritório”, diz Lash. “Oferecer oportunidades para jogar algo em uma lixeira azul em vez de uma cesta de lixo é a maior parte da batalha. Eu raramente, ou nunca, vejo qualquer coisa na lixeira que possa ser reciclada, então eu sei que está funcionando.”

  1. Incentivar e recompensar o comportamento ambientalmente consciente.

Na empresa de Lash, eles incentivam o uso de embalagens ambientalmente conscientes.

“Se os funcionários levarem seus almoços para o trabalho em recipientes de vidro ou tomarem café em suas próprias canecas, eu compro o almoço no dia seguinte”, diz Lash.

  1. Reduza o uso de papel.

“Não mostramos a um cliente uma prova em papel de um conceito há cerca de sete anos”, diz Lash. “Isso é significativo, porque na publicidade, os clientes estão acostumados a ver modelos em papel de ideias de campanha. Ao eliminar essas apresentações em formato físico, economizamos muito papel.”

Lash diz que sua empresa reduziu o uso de papel no escritório em 80%.

“Nossas equipes e clientes usam vários repositórios digitais de software e aplicativos em nuvem para comunicar e atualizar documentos, em vez de papel”, diz ele.

O negócio de Neilson também mudou para um  escritório quase sem papel.

“Foi um processo grande e desconfortável, mas valeu a pena”, diz ela. “Como muitas práticas ecologicamente corretas, a eliminação do papel teve outros benefícios. Economizamos muito espaço de armazenamento usado anteriormente para documentos em papel. Também nos tornamos muito mais eficientes em geral.”

  1. Faça com que todos participem.

Para administrar um negócio verde e um escritório ecologicamente correto, é vital que todos se dediquem a “esverdear a empresa”, acredita Neilson.

“Temos uma ‘Equipe Verde’ de  funcionários que fazem brainstorming  e ajudam a implementar muitas mudanças ecológicas no local de trabalho.”

Os funcionários da Neilson também participam de atividades de formação de equipe e iniciativas relacionadas à melhoria do meio ambiente.

“Nós nos reunimos para limpezas de trilhas e praias”, diz Neilson. “Também temos uma iniciativa chamada Native Trails Challenge. Isso envolve competir por milhas de caminhada que se traduzem em dólares de doação para organizações ambientais locais sem fins lucrativos.”

Como escolher o software certo

Como escolher o software certo de gerenciamento de recepção de condomínio

Que saber como escolher o software de gestão de condomínios certo para você?

A popularidade dos condomínios só cresce devido às vantagens que eles têm sobre as casas familiares convencionais. De um ambiente mais comunitário aos vários serviços que um condomínio pode oferecer, compradores e locatários parecem não ter o suficiente! 

Com tantas coisas diferentes para acompanhar, você pode querer considerar um software de gerenciamento de recepção. 

Manter um calendário mestre digital para funcionários e residentes

A simplificação do gerenciamento de apartamentos começa com o acesso a todos os seus dados importantes em um só lugar. Quando se trata de dados, nada é mais importante do que a programação de suas instalações. A maioria dos programas vem com um calendário básico.

Este calendário permitirá que seus funcionários publiquem e editem os eventos de sua propriedade. Isso permitirá que você acompanhe a manutenção em andamento, além de manter a equipe informada sobre os próximos eventos. Os eventos geralmente podem ser editados e as alterações serão visíveis para todos os funcionários.

Sua instalação tem comodidades? Se este for o caso, certifique-se de ficar de olho no software que possui recursos de reserva! 

 

Além disso, os portais residenciais geralmente têm recursos de calendário comunitário. Com o calendário da comunidade, você pode publicar uma programação de vários eventos que acontecem na comunidade. Isso pode incluir churrascos, festas de aniversário e muito mais!

Bancos de dados digitais de fácil acesso e atualização

O benefício mais óbvio do software de gerenciamento é acompanhar seus residentes. O software de recepção permitirá que você crie e gerencie perfis individuais para cada departamento. Alguns softwares permitem que você atribua diferentes entradas do seu banco de dados a esses perfis. Isso pode ser qualquer coisa, desde violações de estacionamento até cópias de contratos de aluguel. 

 

Quem pode acessar esses arquivos pode ser definido usando controles de acesso. Ao usar controles de acesso, você pode proteger as informações pessoais de seus locatários.

Você poderá atribuir vagas de estacionamento e depósito de bagagem para os residentes. 

 

A papelada não é apenas um incômodo; também pode aumentar sua sobrecarga. Felizmente, o software de gerenciamento pode digitalizar sua burocracia! A maioria dos programas terá a capacidade de armazenar documentos padrão, bem como criar várias formas de documentos. Formulários e relatórios são geralmente gerados automaticamente. Você também pode automatizar o envio de recibos aos moradores.

Torne-se totalmente digital com gerenciamento de propriedade virtual

Você sabia que a combinação certa de software de gerenciamento de recepção e hardware certo pode tornar seu gerenciamento de propriedade completamente virtual?

No entanto, nem todo software é capaz disso. Apenas algumas marcas de software de gerenciamento de recepção oferecem suporte ao gerenciamento de propriedade virtual.

Seja por meio de um quiosque instalado em seu saguão ou pela câmera do telefone do seu cliente, o software de gerenciamento virtual permitirá que você ainda se comunique cara a cara com os moradores. Muitas vezes, o software também possui os mesmos recursos dos programas de call center, permitindo que você enfileira e transfira chamadas conforme necessário.

 

Se você trabalha com uma empresa de segurança, também pode conversar com eles sobre serviços de concierge virtual. Alguns softwares de gerenciamento de recepção oferecem suporte a concierge virtual por padrão. Esses serviços permitem que você se comunique cara a cara mesmo à noite. Mover alguns cargos administrativos para um escritório remoto pode ajudar a reduzir seus resultados. Pense desta forma: se você tem uma equipe administrativa dedicada que atende seu imóvel remotamente, seu gerente de recepção terá mais tempo para atender às necessidades de seus moradores!

Encontrando o software de gerenciamento 

Os benefícios proporcionados pelo software de gestão de propriedades são inúmeros. Você não apenas pode otimizar seu trabalho para reduzir a sobrecarga, mas também pode mudar algumas posições para um escritório remoto para economizar ainda mais dinheiro!

Embora existam muitas opções de gestão de condomínio de recepção no mercado, apenas algumas delas possuem todos os principais recursos descritos acima em um único pacote.

 

A importância do seguro prestamista

A importância do seguro prestamista

O seguro prestamista é muito importante, já que cobre situações como:

  • Invalidez.
  • Incapacidade total ou parcial.
  • Morte.
  • Desemprego ou perda de renda. 

 

Saiba mais sobre esse tipo de seguro e sua importância lendo este artigo. 

Do que se trata o seguro prestamista

Já pelo nome, inferimos que o seguro trata de prestações e seus pagamentos. Então, basicamente, o seguro prestamista funciona para quitar dívidas em diversas situações como morte do segurado, desemprego involuntário, incapacidade física total, entre outras. 

Sendo assim, ele funciona como uma garantia para quem faz financiamentos ou empréstimos, para que ele tenha segurança em qualquer acaso. 

Como o seguro prestamista funciona para o colaborador das empresas? 

Uma situação prevista durante a vigência do seguro é a seguinte: o colaborador, que está pagando uma dívida , fica desempregado. O seguro pode protegê-lo, então a demissão não será mais uma preocupação em sua vida e ele poderá, pelo que está prescrito no contrato do seguro, pagar o que deve total ou parcialmente. 

No caso de ocorrer uma demissão sem justa causa, que também faz parte das coberturas do seguro. 

E como ele funciona para a empresa? 

No caso das empresas, o seguro prestamista é fundamental, já que, através dele, a instituição garante que as dívidas do colaborador serão quitadas.Isso diminui a preocupação para o caso de inadimplentes, por exemplo.  

Entenda como funciona o seguro prestamista 

Para entender o funcionamento do seguro prestamista, observe este exemplo: uma pessoa decide fazer um financiamento ou um empréstimo, porém, enquanto ainda está pagando o saldo devedor, acontece um imprevisto que te impede de continuar quitando a dívida. 

Esse é o tipo de situação coberta pelo seguro prestamista: ele garante o pagamento em diversas causas, como as mencionadas anteriormente. Lembrando que o primeiro beneficiário desta modalidade de seguros sempre foi a empresa credora. 

Para que serve o seguro prestamista? 

O seguro prestamista serve principalmente para que o seu beneficiário garanta dívidas pagas em casos de: 

  • parcelas em cartões de crédito;
  • empréstimos pessoais;
  • consignados;
  • compras parceladas de bens;
  • dentre outros, previstos nas condições gerais do seguro. 

 

Qual a importância dessa modalidade de seguros?

No Brasil, temos uma das maiores concentrações de bancos do mundo. O número de fintechs cresceu 28% no último ano, existindo 771 empresas desse tipo no nosso país. Pensando nisso, a importância de estar preparado para imprevistos só cresce: é nesse caso que o seguro prestamista se encaixa. 

O seguro prestamista protege a sua companhia de casos de inadimplência, e, por ser uma modalidade de seguros em grupo, garante o pagamento das dívidas do colaborador, ou de parcelas de algum financiamento, em casos de morte ou outras hipóteses já citadas. 

6 situações em que o seguro prestamista pode ser usado

O seguro prestamista pode ser usado nas seguintes situações:

  • Empréstimos feitos junto a financeiras e bancos. 
  • Cheques especiais de bancos. 
  • Coberturas de saldo de cartões de crédito.
  • Consórcio. 
  • Empréstimos com pagamento consignado em folha. 
  • Financiamentos de bens. 

 

Quais são os tipos de cobertura do seguro prestamista? 

O seguro prestamista, além de servir como uma excelente proteção para consórcios e financiamento, também pode manter parte de um patrimônio no caso de alguma eventualidade. Mas, para as pessoas que não possuem patrimônio, também pode servir como uma proteção social, ou seja, dá uma certa estabilidade financeira. 

Esse texto foi escrito por Natasha Tochini, em parceria com a Brisk Seguros, uma empresa que vai ajudar a sua com diversas modalidades de seguros e soluções que se encaixam com as necessidades de seus colaboradores e com o próprio sistema da companhia, como o próprio seguro prestamista e muitas outras modalidades diferentes.

Responsabilidade Ambiental: Quem pode ser responsabilizado?

Passivos ambientais e responsabilidade por passivos ambientais podem ser uma área de risco para diretores e controladoras se houver controle excessivo sobre atividades ou operações potencialmente poluidoras.

A Legislação Principal

A Diretiva de Responsabilidade Ambiental  sustenta a base legal para a responsabilidade ambiental. Os Regulamentos das Comunidades Europeias (Responsabilidades Ambientais) de 2008 (“ Regulamentos ”) transpuseram a Diretiva de Responsabilidade Ambiental para a lei irlandesa em 1º de abril de 2009. Os Regulamentos não podem ser considerados isoladamente e funcionam em paralelo com outros regimes legais e de licenciamento ambientais.

O objetivo do Regulamento é complementar os regimes ambientais pré-existentes. Os operadores são obrigados a prevenir ou minimizar os danos ambientais, mesmo quando não ocorreram, mas uma ameaça iminente de danos está ocorrendo. Um operador significa qualquer pessoa que opere ou controle uma atividade. Esta é uma definição ampla e pode incluir um diretor, acionista ou outro diretor de uma empresa se exercer controle suficiente sobre as atividades operacionais de um negócio.

A legislação se aplica a dois cenários de responsabilidade 1) danos ambientais causados ​​por atividades ocupacionais que incluem aqueles definidos nos regulamentos, incluindo atividades de resíduos, diretiva de emissões industriais, rotulagem de mercadorias perigosas e atividades integradas de controle de poluição; e 2) de forma mais geral às atividades que causam danos a espécies e habitats protegidos.

O operador é obrigado, sem demora, a tomar as medidas preventivas necessárias sempre que esteja ciente, ou deva razoavelmente estar ciente, de que existe uma ameaça iminente de dano ambiental. O descumprimento dessas obrigações é uma ofensa. As obrigações são autoexecutáveis ​​na medida em que a EPA não é obrigada a enviar um aviso para ativá-las.

Os operadores também têm a obrigação de restaurar, reabilitar ou substituir terras, águas, espécies protegidas ou habitats naturais danificados; os operadores são responsáveis ​​não apenas por remediar uma condição de linha de base, mas também por remediação complementar e compensatória.

Está prevista uma isenção de responsabilidade para os operadores que possam provar que o dano ou ameaça de dano iminente foi causado por um terceiro, apesar da aplicação das medidas de segurança adequadas, ou resultou do cumprimento de uma ordem ou instrução de uma autoridade pública.

Outra Legislação Relevante e Direito Comum

Os operadores cujas atividades ocupacionais estão fora do escopo dos Regulamentos podem ser exercidas usando as disposições das Leis EPA de 1992 a 2011, as Leis de Gestão de Resíduos de 1996 a 2011, a Lei do Governo Local (Poluição da Água) de 1977 (conforme alterada), as Comunidades Europeias (Aves e Habitats Naturais) Regulamentos de 2011 a 2015 e as Leis de Poluição do Ar de 1987 e 2011.

Até o momento, a EPA teve um recurso limitado aos Regulamentos, contando com eles apenas como uma medida de retrocesso, preferindo outros decretos pré-existentes em primeira instância. Isso certamente parece ser uma abordagem prática e razoável a ser adotada pela EPA, mas os operadores não devem ser complacentes com a extensão e a eficácia dos regulamentos que podem, em alguns casos, ampliar o escopo da responsabilidade dos operadores, além de outras obrigações legais que possa surgir.

Existe também a possibilidade de a responsabilidade ambiental surgir por meio da lei comum, que coexiste com os recursos legais mencionados acima e pode ser reivindicada em adição ou em substituição a tais recursos, incluindo os delitos de incômodo, transgressão, negligência e a regra em Rylands v Fletcher. A responsabilidade dos diretores corporativos decorrente do estatuto ou da lei comum também é relevante.

A posição em relação ao potencial passivo ambiental de acionistas e controladoras é interessante. Não há jurisprudência na Irlanda que considere especificamente a responsabilidade do acionista ou da empresa-mãe por danos ambientais, mas casos em outras jurisdições consideraram os fatores que poderiam levar um acionista ou as empresas-mãe a serem responsabilizados por danos ambientais.

Em particular, se houver um grau suficiente de controle sobre uma subsidiária ou confiança no conhecimento ou experiência superior de uma empresa-mãe na atividade operacional, esse é um fator que pode influenciar quando uma questão de responsabilidade ambiental estiver em disputa.

Se um acionista ou empresa-mãe deseja limitar sua responsabilidade potencial, é aconselhável que a subsidiária opere de forma independente da empresa, para evitar a duplicação de conselheiros e diretores e para evitar que os acionistas e a controladora se envolvam nas operações do dia-a-dia da empresa. Também é aconselhável que as decisões sobre a subsidiária sejam tomadas em reuniões dos diretores da subsidiária e documentadas separadamente. Para uma ficha informativa anterior sobre a gestão de subsidiárias, clique aqui .

A posição de responsabilidade dos diretores por danos ambientais foi considerada em vários casos sob a Lei de Gestão de Resíduos de 1996 a 2011 na Irlanda. Um diretor foi responsabilizado pela remediação e limpeza de um local onde o diretor estava envolvido na gestão ativa, controle e tomada de decisões em relação à atividade de resíduos não autorizada que está sendo realizada.

Passos Práticos – Como Abordar e Avaliar Passivos Ambientais

Podem ser tomadas medidas para reduzir a exposição. Os Regulamentos exigem que um operador tome medidas para prevenir e remediar uma ameaça iminente de danos ambientais e, portanto, os documentos contratuais da empresa e as disposições padrão em relação a danos ambientais e responsabilidade devem refletir essa obrigação legal.

Além disso, no contexto de qualquer transação (em particular relacionada a quaisquer atividades licenciadas pela EPA), a devida diligência apropriada deve ser realizada e, quando necessário, indenizações solicitadas aos proprietários anteriores e futuros. Pode ser necessária provisão financeira para cobrir o custo de passivos ambientais, por exemplo, cobertura de seguro, garantia da controladora, fiança, encargo sobre propriedade ou fundo garantido.

Como parte da avaliação dos passivos ambientais, é necessária uma revisão regular das obrigações de licença e dos sistemas de gestão ambiental para garantir que os sistemas eficazes de monitoramento e relatório, delegação àqueles com responsabilidade definida, estruturas organizacionais transparentes, treinamento e processos documentados e uma trilha de papel clara sejam mantidos

empréstimo vale a pena

4 Situações Que o Empréstimo Vale a Pena

Um dos princípios básicos para se manter sempre no azul é evitar, ao máximo, recorrer ao crédito pessoal. Entretanto, quando observados os cuidados necessários, há muitas situações em que o empréstimo vale a pena. Para tanto, é indispensável ponderar o custo do crédito, sobretudo em relação às taxas aplicáveis.

Diferentemente do que muitas pessoas acreditam, portanto, utilizar uma grana extra para determinados fins está longe de ser uma prática condenável. Isso porque ela pode conferir inúmeras vantagens, especialmente se aplicada de maneira inteligente, seja para gerar renda, investir na realização de algum sonho, consolidar dívidas ou aliviar o orçamento.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura!

4 circunstâncias que vale a pena solicitar empréstimo

Confira, a seguir, 4 situações em que pedir dinheiro emprestado pode ser muito positivo:

1. Gerar renda

A primeira situação em que pedir um empréstimo vale a pena é, por óbvio, motivada pela abertura de um negócio. Nesse caso, porque o aporte inicial pode ser uma forma de alavancar a situação financeira, abrindo, inclusive, novas oportunidades para uma vida financeira mais tranquila.

Contudo, esse tipo de decisão demanda uma reflexão importante, afinal, antes de solicitar o crédito, deve-se conhecer muito bem o mercado em que se pretende atuar. Esse é, na verdade, o primeiro passo para determinar se o empréstimo caberá ou não no orçamento mensal. 

Assim, embora seja um recurso útil, recorrer a esse tipo de transação depende da estruturação de um plano de negócios. Além disso, é também importante atentar-se para a linha de crédito adequada para este caso, já que não vale a pena pegar empréstimo para abrir um negócio, caso seja relacionado ao crédito pessoal.

2. Investir na educação

Assim como acontece em outras modalidades de investimento, apostar na educação nem sempre é tão simples quanto parece. Afinal, essa atividade pode acarretar riscos que não podem ser ignorados. Dado que, mesmo após pagar um curso, não há garantias de que você conseguirá um emprego na área.

Além disso, considerando a contenção dos incentivos educacionais, como as bolsas de ensino superior, vale a pena pegar empréstimo para investir em conhecimento. Até porque, deve-se considerar as linhas educacionais disponíveis atualmente. Isso, pois, seu baixo custo pode tornar o empréstimo ainda mais interessante.

3. Pagar dívidas mais caras

Via de regra, recorrer ao crédito pode ser muito positivo para quem precisa eliminar uma dívida cuja taxa de juros ultrapasse aquelas aplicáveis ao empréstimo. Além disso, essa alternativa pode fazer ainda mais sentido, se concentrar todas as dívidas em uma só. Dessa forma, paga-se uma única parcela, gerando alívio para o orçamento familiar.

Nesse caso, o empréstimo vale a pena, pois possibilita a redução de boa parte das dívidas. Afinal, com o dinheiro em mãos, é possível negociar novas taxas junto aos credores, o que, por sua vez, torna a despesa ainda menor. Outro aspecto positivo é a oportunidade de reduzir o valor das despesas — com o prolongamento do prazo para quitar todas as dívidas.

4. Aliviar o orçamento mensal

Por fim, o empréstimo vale a pena se caso você estiver atravessando um momento financeiro de fragilidade, sobretudo provocado por uma situação não prevista, como o desemprego involuntário ou o adoecimento de um ente querido. Afinal, nesse caso, as despesas médicas podem facilmente demandar um aporte importante de recursos.

Sendo assim, caso não haja uma reserva de emergência para lidar com tais situações, pode ser necessário recorrer ao empréstimo como alternativa para não se tornar inadimplente. Lembrando que, ao deixar de honrar os compromissos financeiros, além da acumulação de juros, pode-se gerar a negativação do nome nos órgãos de proteção ao crédito.

Afinal, quando o empréstimo não vale a pena?

De modo geral, solicitar empréstimos para investir em bens supérfluos, como comprar roupas, sapatos, acessórios, móveis ou eletrodomésticos, por exemplo, são situações em que contrair uma dívida elevada pode gerar consequências financeiras graves. Portanto, antes de tomar esse tipo de atitude, é recomendado avaliar bem a necessidade de investir em gastos não essenciais.

Nessa situação, é importante saber que os juros do empréstimo podem ser mais elevados se comparados a compra do item desejado, seja à vista ou a prazo. Ademais, a despesa pode, ao longo do tempo, ir se acumulando e crescendo, especialmente se for contraída sem um planejamento adequado. Por isso mesmo, são muitos os casos em que é melhor fazer economias por um período, a fim de comprar apenas quando tiver o suficiente.

Concluindo, o empréstimo vale a pena, como vimos, em diferentes situações, desde pagar dívidas ou até mesmo utilizar o crédito para obter retornos financeiros. Contudo, para fazer uma escolha adequada, é muito importante saber como escolher com cuidado o empréstimo que se adequa às suas necessidades, já que há diferentes modalidades de crédito na praça.

 

 

google ads

Como criar uma campanha de anúncios do Google para superar seus concorrentes

O marketing digital a cada dia se torna mais a fonte de investimento das empresas. Empresas investem pesado em Consultorias SEO, Agências de Link Building e Compra de Backlinks para posicionar sites no Google organicamente, em mídia paga (Google Ads e Facebook Ads) e em mídias Sociais. Mas você não precisa pagar mais para vencer a concorrência. Você só precisa das estratégias certas para criar uma campanha de anúncios do Google que deixe você vender mais e pagar menos.

Esteja você procurando desde vender acessórios para animais de estimação até produtos SaaS, os anúncios pay-per-click são uma das maneiras mais eficazes de atingir seu público-alvo.

Seus concorrentes também estão pagando – e podem ter orçamentos muito maiores. Ou, eles podem ter uma marca mais forte, para começar, facilitando a obtenção de clientes por meio de anúncios pagos.

Este artigo fornecerá o que você precisa saber para criar uma campanha bem-sucedida do Google Ads que se destaque e ajude a superar seus concorrentes,

O ROI médio dos anunciantes do Google é de R$ 2,00 em receita para cada R$ 1,00 de gasto. É o suficiente para experimentar os anúncios do Google?

Embora altamente eficazes, o Google Ads também é uma das áreas mais complexas do marketing digital, como qualquer profissional de marketing de PPC pode lhe confirmar.

As listas de palavras-chave podem ser longas, existem dezenas de opções de segmentação e campanhas erradas podem desperdiçar milhares de reais preciosos.

Além disso, sua empresa não é a única que está pagando para alcançar os clientes.

 

Descobrir quem é realmente a sua concorrência

Com muita frequência, as marcas fazem suposições sobre com quem estão competindo.

Às vezes isso é emocional – por exemplo, você quer ter mais sucesso do que alguém que começou na mesma época que você ou se formou na mesma faculdade. Outras vezes, as marcas apenas assumem que os nomes que mais ouvem são seus maiores concorrentes.

Mas, pode haver alguns que você não considerou.

Para descobrir quem realmente é a sua concorrência, o primeiro passo é uma boa e antiga pesquisa no Google sobre as principais palavras-chave relacionadas ao seu setor.

Digamos que você gerencie uma loja online que vende suprimentos para animais de estimação (Petshop).

Neste caso, a competição é somente nos resultados orgânicos e Google meu negócio, que mostra a empresa loja animal em destaque.

Esse é um termo-chave bastante amplo, no entanto. Vejamos os resultados de um item específico, como uma coleira de cachorro:

cachorros

Agora ao lado direito existem vários anunciantes vendendo este produto.

Petlove está no topo dos resultados orgânicos. Nos anúncios patrocinados encontramos Zee Dog, Petlove, Cobasi e Dogopets.

Todos eles são concorrentes e se você possui uma empresa pequena e em crescimento provavelmente não conseguirá competir com eles em volume de verba disponível para investimento.

Você precisará fazer uma chamada estratégica aqui – talvez você não faça lances para os principais termos da coleira, mas faça lances para termos nos quais você pode classificar e, em seguida, use seu site para aumentar as conversões nas coleiras.

Tudo depende dos seu negócio, é claro, mas a lição aqui é que você precisa saber quem são seus concorrentes reais antes de poder construir uma estratégia eficaz.

Caso contrário, você poderá desperdiçar milhares de reais em uma estratégia do Google Ads que não funcionará.

 

Compreenda mais profundamente sua concorrência

Depois de entender quem realmente é a sua concorrência, é hora de descobrir quais estratégias eles estão usando para ter sucesso.

O objetivo desta etapa é aprender, portanto (por enquanto) concentre-se nas empresas que estão se saindo melhor que você.

 

Use o Planejador de palavras-chave do Google

A ferramenta Planejador de palavras-chave do Google é uma mina de ouro para especialista em SEO ou Agência de SEO, além de profissionais de pesquisa paga.

Você pode pesquisar até 10 termos-chave de cada vez para entender se vale a pena oferecer algo.

A ferramenta fornece informações sobre a frequência com que os principais termos são pesquisados, estimativas de lances e fornece uma ideia de quão competitivo é cada termo.

Você também pode incluir seu site para obter sugestões de termos-chave mais personalizados.

Por exemplo, termos de comida de gato e comida de cachorro têm muita concorrência. Para marcas menores sem um orçamento pesado de PPC, esses termos podem estar fora de alcance.

No entanto, o Planejador de palavras-chave também pode ajudá-lo a encontrar algumas palavras com custo mais baixo. Ao classificar a concorrência de baixo para alto, você pode ver que existem vários termos-chave com uma concorrência muito menor.

“Filhote de cachorro continua derramando água” pode ser uma boa palavra-chave para um prato de água mais alto, por exemplo.

“Como fazer meu cachorro urinar no lugar certo” pode ser um termo que você pode segmentar com um anúncio um produto que auxilie cachorros a urinar em local adequado.

Esses termos mostram menos intenção de compra, para ser justo. Mas ainda pode valer a pena considerar.

A ferramenta de planejamento de palavras-chave passou por várias alterações recentemente. Se já faz algum tempo desde que você usou a ferramenta, talvez seja hora de aprimorar seus conhecimentos.

 

Use ferramentas de terceiros

Embora a ferramenta Planejador de palavras-chave do Google forneça uma grande quantidade de informações, você precisará trazer todo tipo de recurso quando estiver tentando ter sucesso com anúncios do Google.

SEMrush e Spyfu são ferramentas fantásticas que oferecem uma quantidade imensa de informações que você simplesmente não encontrará em uma ferramenta gratuita.

O SEMrush fornece dados sobre os principais termos de volume de pesquisa, CPC, tendências e muito mais. Ele também fornece exemplos de anúncios da concorrência (para que você possa ver o que outras marcas estão fazendo), resultados de pesquisa orgânica, termos-chave relacionados e muito mais.

É um pouco caro, mas existem muitos recursos além da pesquisa de palavras-chave que a tornam útil. Além disso, há uma avaliação gratuita de 7 dias.

SpyFu é tudo sobre descobrir o que seus concorrentes estão fazendo.

Você pode descobrir exatamente quais termos principais eles estão usando, quanto pagaram e quantos cliques receberam.

Isso significa que você pode ver o que funciona e pode até se poupar de testar uma estratégia que fracassará. Você também pode usar o Spyfu para identificar e rastrear marcas emergentes antes que elas assumam o controle.

O Spyfu fornece recomendações individuais para ajudá-lo a melhorar as campanhas, sugerindo palavras-chave que você ainda não está segmentando.

 

Pergunte por que

As ferramentas acima fornecerão enorme quantidade de informações, mas o que você fará com essas informações?

Agora é hora de perguntar: Por que seus concorrentes estão vencendo você? É fácil supor que eles simplesmente tenham mais dinheiro para gastar.

Mas, um pouco de autorreflexão irá percorrer um longo caminho aqui. Observe todos os aspectos – os termos que eles usam, as imagens que incluem, para onde vão os links etc.

Você pode usar a mesma estratégia ou similar, talvez em uma palavra-chave menos competitiva que eles não estejam alvejando?

 

Dê uma olhada em seus principais termos

A seleção das palavras-chave certas para sua campanha é fundamental para exibir seus anúncios aos clientes certos e é uma etapa básica que geralmente é negligenciada.

Comece criando uma lista das principais categorias da sua empresa e procure palavras ou frases que se enquadram em cada uma dessas categorias. Certifique-se de incluir as palavras que seus clientes usariam para descrever seus produtos ou serviços.

Para ficar com o exemplo do pet shop, você pode começar com algumas categorias básicas que os clientes usariam, como “comida de cachorro”. Termos-chave gerais geralmente são altamente competitivos.

Você também pode adicionar “ração seca” e “ração úmida” se descobrir que estes são termos comumente usados. Expanda sua lista ainda mais, incluindo nomes de marcas e produtos de itens que você carrega, como “Ração para cachorros purina”, entre outros.

Outra maneira de encontrar termos importantes é revisando os dados de pesquisa interna do site.

Você pode descobrir, por exemplo, que muitos usuários pesquisam “comida de gato para gatos siameses” ou “comida de cachorro sem grãos”. Podem ser termos que você deve considerar como segmentação.

Não se esqueça de revisar regularmente seus principais termos negativos para reduzir os gastos com anúncios em termos não relevantes.

A maioria dos profissionais de marketing não se preocupa em configurá-los ou define palavras-chave negativas uma vez e os esquece. Não cometa este erro!

 

Lance com termos de marca

As palavras-chave da marca podem ser termos de pesquisa que incluem o nome da sua marca ou o nome da marca do concorrente. Pode parecer inútil definir lances para sua própria marca, especialmente quando você acha que seu posicionamento orgânico terá uma classificação alta.

Se não, seus concorrentes aparecerão – e os anúncios deles serão exibidos acima das páginas orgânicas que você trabalhou duro para classificar.

A segmentação por termos de marca também facilita o envio de visitantes para uma página de destino segmentada, o que permite abordar pontos problemáticos muito específicos.

Pode parecer arriscado, mas você não quer arriscar que um concorrente roube os clientes que procuram sua marca.

 

Melhore seu Índice de qualidade

O Índice de qualidade é uma classificação que o Google usa para mostrar a relevância e a qualidade do seu anúncio.

A composição desse índice de qualidade começa desde a qualidade, estabilidade, velocidade da sua página até a qualidade dos seus anúncios. Fatores como uma boa hospedagem de site, um código leve e otimização de imagens e textos pesam neste momento.

Se os clientes clicarem constantemente em um complemento apenas para se perderem em um labirinto de conteúdo não relacionado, seu índice de qualidade sofrerá. E embora a criação de um anúncio de alta qualidade faça sentido lógico, há outro benefício a ser lembrado.

Na maioria dos casos, um índice de qualidade mais alto se correlaciona com um menor custo por conversão.

Lembre-se de que um ótimo Índice de qualidade é o Google, afirmando que seu anúncio atende às necessidades de seus clientes em potencial. Quando isso acontece, o Google cobra menos por clique – e você provavelmente verá uma taxa mais alta de conversões.

Comece criando páginas de destino dedicadas e usando inserções dinâmicas de palavras-chave para tornar seus anúncios mais relevantes. Apenas essas pequenas alterações podem economizar muito dinheiro com gastos com anúncios, aumentando seu Índice de qualidade.

 

Melhore sua estratégia de conversão

Em uma campanha bem-sucedida do Google Ads, os anúncios são apenas metade da equação.

Depois de ganhar esse clique, o que acontece?

  • Você os leva para uma página de destino ou sua página inicial?
  • Como você se envolve com eles?
  • Como você facilita o check-out?
  • Você pede um endereço de e-mail ou oferece uma consulta gratuita?
  • Você oferece um desconto ou avaliação gratuita para incentivá-los a dar o próximo passo?
  • Você está oferecendo aos clientes informações suficientes sobre os produtos ou serviços que você oferece?
  • Você inclui sinais de confiança, como HTTPs?
  • Você inclui a prova social e cases de clientes?

Depois de melhorar seus anúncios, você precisa garantir que você melhore todas as partes do processo de conversão.

 

Conclusão

O Google Ads pode ser um negócio cruel.

As marcas fazem lances para outras marcas, os profissionais de marketing gastam milhares de reais tentando novas estratégias e apenas os dois ou três principais anúncios obtêm tráfego real.

Pode ser frustrante, mas (felizmente) os índices de qualidade nivelam bem a disputa.

Não se preocupe em não ter o mesmo investimento de grandes players de seu mercado.

Preocupe-se em criar um anúncio segmentado e em fornecer aos clientes as informações necessárias para tomar uma decisão informada.

E, independentemente do desempenho da sua campanha atual, verifique se você está testando e tentando novas estratégias.

Isso o manterá um passo à frente da concorrência.

Visite também: webtrends.net.br/agencia-de-branding

Por que toda empresa deve ser sustentável?

Hoje em dia tornou-se mais comum ouvir falar de empresas sustentáveis. Na maioria dos casos, essas empresas seguem políticas ambientais para que seu trabalho cause menos impacto ao planeta Embora este seja um avanço muito importante, uma vez que estamos nos conscientizando das consequências de nossas ações, as empresas devem buscar ser sustentáveis ​​não apenas em questões ecológicas, mas em diferentes áreas.

Como defende o LatinAmerican Post, as empresas devem ser sustentáveis ​​em termos sociais, culturais, econômicos, entre outros. Sustentabilidade é encontrar o equilíbrio entre propósito e lucro para que não apenas a empresa cresça, mas também seus integrantes e a comunidade onde desenvolve suas atividades. O desempenho financeiro deve andar de mãos dadas com o desempenho social e ambiental

É por isso que sustentabilidade não deve ser confundida com filantropia, pois não se trata de empresas doarem parte de seus lucros e obter resultados de curto prazo, cujo impacto será perdido com o tempo. Ao contrário, ser sustentável é garantir a estabilidade financeira e social de forma estratégica.

Veja também como conseguir o licenciamento ambiental para a sua empresa.

Benefícios da Sustentabilidade

A sustentabilidade pode trazer diversos benefícios na hora de fazer negócios. Por exemplo,  projetará mais credibilidade, pois fará com que os clientes saibam que a empresa respeita a comunidade, o meio ambiente, o setor etc. Além disso, permitirá que colegas, concorrentes, clientes, funcionários, entre outros, saibam que os fundamentos da sua empresa são a transparência e a responsabilidade

Sendo motores do desenvolvimento económico, as empresas devem definir a forma como irão gerir os recursos (ambientais e sociais) de forma a promover a construção e o progresso em termos económicos, políticos e culturais. Em outras palavras, as  entidades empresariais não podem se dedicar apenas à produção de riqueza e geração de emprego, devem promover e ajudar o florescimento da sociedade

A sustentabilidade é uma alternativa de crescimento empresarial que os posiciona como instituições que trabalham para o bem comum e não apenas para interesses privados. As empresas devem estar cientes do impacto de suas operações e projetar políticas e estratégias que respondam a interesses comuns e devolvam o que levaram. Essas decisões, claro, devem ser estratégicas para que a mudança e o impacto das políticas sustentáveis ​​possam ser evidenciados.

Ser sustentável é fazer a diferença e impactar positivamente a sociedade. Desta forma, não apenas a guilda é empoderada, mas também a sociedade em geral. A razão de ser sustentável se baseia no fato de que as empresas não são instituições fora da sociedade. Ao contrário, são entidades que podem produzir mudanças, transformar, inovar e renovar dinâmicas socioambientais.

Essa forma de fazer negócios garante às empresas maior sustentabilidade no médio e longo prazo e se torna uma ferramenta para alcançar maior competitividade.

 

Infográficos

Infográficos: tudo o que você precisa saber antes de criar um

Os textos permitem compartilhar uma grande variedade de informações, mas o que fica na memória depois de lê-los? Como um autor pode destacar informações essenciais? A melhor maneira de fazer isso é usar infográficos. Conteúdo visualmente atraente pode ser processado muito melhor.

Por esse e alguns outros motivos, os infográficos são onipresentes atualmente. Seja nas redes sociais, nos jornais, nas reportagens da televisão ou geralmente em qualquer lugar onde o conteúdo seja veiculado.

Os infográficos podem servir como uma ferramenta útil no setor de mídia . Diferentes objetivos podem ser alcançados usando diferentes tipos de infográficos.

O que é um infográfico?

Os infográficos são ilustrações gráficas para a apresentação de estatísticas, condições e relações.

O conteúdo está relacionado a fatos previamente pesquisados ​​de fontes confiáveis ​​e deve resistir a uma verificação de conteúdo. Normalmente, eles são caracterizados por uma combinação de elementos gráficos e textuais.

Tipos de infográficos

Os seguintes tipos de infográficos podem ser usados ​​para atingir os objetivos descritos acima. Não é incomum que infográficos sejam atribuídos a várias categorias.

1. infográficos informativos

Todo infográfico transmite informações de alguma forma, então parece um pouco estranho distingui-lo de outros tipos de infográficos à primeira vista. No entanto, existem características individuais que permitem uma distinção.

Os infográficos informativos são de preferência particularmente breve, de modo que o foco esteja em algumas mensagens principais. Uma ordem cronológica ou hierárquica não deve ser levada em consideração.

Uma combinação bem-sucedida de cores, símbolos e fontes também deve aumentar a clareza de um gráfico informativo de informações. Conheça aqui alguns infográfico exemplos.

2. Hierarquias

As graduações podem ser visualizadas por meio de infográficos hierárquicos . Dependências, cadeias de comando e muitas outras hierarquias podem ser representadas por meio de pirâmide ou fluxogramas, por exemplo.

3. Infográficos cartográficos

O uso de mapas é geralmente recomendado para a representação de relações espaciais . Para garantir uma certa compreensibilidade, a seção do mapa deve ser simplificada ao máximo.

Se, por exemplo, as diferenças entre a antiga RDA e a antiga RFA devem ser mostradas, os estados federais individuais não são mencionados. A representação de outras nações que não estão tematicamente envolvidas também seria irrelevante. O foco deve estar na mensagem central do cartão.

4. Estatísticas

Com a ajuda de infográficos estatísticos, os resultados de conjuntos de dados quantitativos (por exemplo, resultados de pesquisas ou avaliações científicas) podem ser claramente apresentados. Esta categoria inclui vários diagramas e também as cartas já descritas.

5. Descrições de processos

Os gráficos de informação também podem ser usados ​​para mostrar diferentes processos ou instruções da forma mais simples possível. As etapas individuais são organizadas de acordo com a sequência e reproduzidas de forma simplificada.

6. Linhas do tempo

Uma linha do tempo ou uma linha do tempo permite a exibição cronológica de eventos passados. Os dados centrais também podem ser destacados visualmente.

7. Infográficos comparativos

Por exemplo, para convencer clientes em potencial de sua própria oferta, infográficos comparativos podem ser usados. A comparação pode ser feita de forma factual e neutra ou especificamente para sua própria venda.

Ilustrações distintas podem ser usadas para enfatizar características individuais que representam positivamente seu próprio produto e as desvantagens de seus próprios bens nem precisam ser mencionadas.

8. Infográficos interativos

O uso de infográficos interativos é adequado para exibir conteúdo particularmente complexo.

O processo de criação geralmente é mais complexo, portanto, mais caro, mas o conteúdo de informação que pode ser obtido é significativamente maior do que com as categorias usuais. Por exemplo, eles são frequentemente usados ​​em museus para apresentar grandes quantidades de dados.

4 dicas para um infográfico ideal

Existem alguns itens a serem considerados ao criar um infográfico. Aqui você descobrirá até que ponto os objetivos influenciam o resultado, qual software você pode usar e quão importantes podem ser as cores, fontes e quantidade de palavras.

1. Um objetivo claro

Antes de iniciar o infográfico, uma meta a ser perseguida deve ser estabelecida. O objetivo determina o processo de design posterior. Qual conteúdo deve ser transmitido? Qual grupo-alvo deve ser alcançado? Por quais canais o conteúdo deve ser transmitido?

Essas perguntas devem ser respondidas com antecedência. Você decide o tipo de infográfico, os programas a serem usados ​​e o design. Um infográfico para fins publicitários, por exemplo, deve ser mais colorido do que o gráfico puramente informativo para conteúdo científico.

2. Destaque suas mensagens principais

Não importa se por meio de fontes especiais ou acentos coloridos. Suas mensagens principais devem ser particularmente marcantes e se destacar visualmente do resto do conteúdo.

3. Use uma linguagem simples

Os infográficos devem substituir os textos longos tão claramente quanto possível. Isso só pode ter sucesso se as frases ou pontos-chave usados ​​forem mantidos tão curtos e simples quanto possível.

4. Preste atenção a uma distribuição de cores apropriada

Se nenhuma cor for usada, a tela ficará muito imperceptível. Se muitas cores forem usadas, o visualizador ficará confuso. O uso correto das cores é fundamental para um infográfico de sucesso.

Para publicidade e conteúdo corporativo, geralmente são recomendadas as cores do logotipo ou do site. Dessa forma, uma conexão entre o infográfico e a empresa pode ser criada para o visualizador.