Como preparar uma entrevista de emprego? Tipos de entrevista, dicas e erros mais frequentes

Se você está lendo este artigo é porque é sua primeira entrevista de emprego ou em breve você terá uma. Seja o que for, a seguir explicaremos como você deve se preparar para uma entrevista de emprego e algumas dicas e erros a serem evitados durante esse popular processo de seleção.

O que são entrevistas de emprego?

Todo mundo passa por um processo de seleção em algum momento da vida. Agora, estamos preparados para entrevistas de emprego?

Você fez o seu curriculum vitae , consultou as ofertas de emprego e decidiu candidatar-se a uma delas. O departamento de Recursos Humanos gostou do seu perfil, mas quer saber mais e entrar em contato com você para uma reunião. Chegou o momento. Aqui começa sua carreira para o trabalho.

A entrevista de emprego é uma das ferramentas mais utilizadas pelos recrutadores (gerente de RH) nos processos seletivos. Nessas conversas, os entrevistadores tiram dúvidas sobre o perfil e a experiência dos candidatos e testam suas atitudes e aptidões para ver se eles se encaixam no cargo que a empresa exige.

Objetivo de uma entrevista laboral

O objetivo da entrevista de emprego é bastante relativo, pois dependerá das intenções da empresa. Você deve ter em mente o quanto é importante que seu perfil se encaixe no que a empresa deseja, bem como que a oferta de trabalho se encaixe no que você considera adequado.

Por sua vez, o entrevistador tem como objetivo encontrar o candidato ideal para o cargo . Por isso, devem conhecer a sua candidatura, ou seja, conhecer o seu percurso profissional, conhecer as suas aptidões pessoais, contrastar a informação do CV com o seu testemunho e recomendações que forneceu anteriormente.

Em vez disso, seu objetivo será mais persuasivo . Você deve se apresentar como a pessoa ideal para o trabalho, demonstrando grande interesse e motivação . É muito importante que você aproveite ao máximo o tempo da entrevista demonstrando suas habilidades e habilidades . Isso sim, sem esquecer em momento algum que se trata de uma conversa de mão dupla e que é preciso certificar-se de que as condições de trabalho correspondem às suas expectativas profissionais. Embora pareça óbvio, muitas vezes esquecemos que somos um sujeito ativo no processo de seleção.

ENTREVISTA INDIVIDUAL

Na maioria dos processos seletivos, os recrutadores entram em contato previamente com os candidatos por telefone para agendar a entrevista e fazer uma avaliação inicial do candidato.

Na entrevista individual , geralmente participam um entrevistador e um entrevistado , embora em algumas situações seja possível que você se encontre com dois entrevistadores em duas fases diferentes do processo, ou ao mesmo tempo. Nesse caso, você deve estar calmo e relaxado, pois uma pessoa ficará encarregada de responder o questionário ou conduzir a conversa, enquanto a segunda pessoa analisará a linguagem não corporal e as possíveis reações.

ENTREVISTA GRUPAL

A dinâmica de grupo é um recurso ideal para os recrutadores . Isso permite que eles vejam como os candidatos se dão bem com outras pessoas. Além disso, permite avaliar habilidades de liderança, criatividade, participação, capacidade de reação, iniciativa e imaginação.

Geralmente é realizado com no máximo 10 candidatos que são apresentados a uma situação hipotética que devem resolver em equipe. É o momento ideal para demonstrar o potencial do seu perfil, por isso você deve evitar monopolizar a discussão, ouvir com atenção os colegas e recrutadores , além de controlar seus nervos e não julgar as opiniões ou contribuições de outros candidatos.

Você tem a opção de contratar uma empresa especializada em recolocação profissional para reformular o seu currículo e deixar ele mais atrativo.

Tipos de abordagem em uma entrevista de emprego 

Outro dos critérios com os quais podemos classificar as entrevistas de emprego é o tipo de abordagem, ou seja, como a conversa ou diálogo é suscitado durante a entrevista entre o entrevistador e o(s) entrevistado(s).

DIRIGIDA 

As entrevistas dirigidas são aquelas em que os entrevistados seguem um padrão de perguntas pré-determinado pelo entrevistador . Normalmente, eles tendem a seguir o mesmo roteiro para todos os candidatos . As entrevistas dirigidas podem ser estruturadas , quando possuem um roteiro rígido que serve para obter pontuações com base nas respostas dos entrevistados; ou semiestruturada (mista) , a entrevista é mais flexível e permite ao entrevistador formular o teste de forma mais criativa.

LIVRE 

Dependendo do jeito de ser dos candidatos, as entrevistas gratuitas podem ser uma faca de dois gumes. Esse tipo de teste lhe dará todo o destaque, então você será o único a marcar os tópicos da conversa durante a entrevista . Oque quer dizer? O entrevistador aparecerá como um sujeito passivo e lhe dará o controle do curso da conversa. Será fundamental que você articule bem o seu discurso e sempre consiga relacionar suas habilidades, atitudes e experiência com as demandas da oferta . As perguntas serão muito mais abertas, então você deve tentar não divagar e aprimorar seu perfil o tempo todo.

POR COMPETENCIAS

Nesse tipo de entrevista, o recrutador pergunta sobre aspectos do candidato com os quais pode saber mais sobre suas conquistas, pontos fortes e fracos . Essa abordagem também permite saber mais sobre quais habilidades e habilidades o candidato pode trazer para o trabalho. Com esta abordagem, o entrevistador será capaz de avaliar comportamentos, habilidades e conhecimentos. Para saber se a resposta é a esperada, o entrevistador utilizará o método STAR : situação, tarefa, ação e resultado .

Formatos de entrevista

Além do foco e do número de participantes, uma entrevista pode ocorrer em várias plataformas. A situação atual tem promovido a implementação de dispositivos e ferramentas digitais para manter contato com o candidato, mantendo as medidas de segurança. Isso tornou as entrevistas por videochamadas ou o uso de questionários automatizados em vídeo outra fase do processo de seleção.

Ainda assim, as entrevistas telefónicas e presenciais continuam a ser essenciais na hora de selecionar candidatos e encontrar o candidato ideal.

Perfil do entrevistador

Ao realizar a entrevista poderá conhecer um ou mais entrevistadores, com perfis muito diversos. Pode ser que, diretamente, o processo seletivo seja realizado por uma empresa dedicada a ele . Nesse caso, eles medirão o nível de treinamento, sua personalidade e seu grau de motivação. Normalmente, esta situação ocorre normalmente nas fases iniciais do processo e é nas fases mais avançadas que o responsável pelos recursos humanos ou o gestor do departamento e CEO da empresa têm contacto direto com os candidatos finalistas.

Tipos de testes profissionais ou de conhecimento

A entrevista de emprego pode ser estruturada de várias maneiras e pode incorporar alguns testes práticos para serem realizados no local. Estes exercícios servem para conhecer a psicologia e a personalidade dos candidatos , bem como para avaliar as suas aptidões e conhecimentos. Alguns dos mais comuns são:

  • Testes de conhecimento de múltipla escolha (psicotécnicos).
  • Teste de personalidade.
  • Exercícios práticos sobre situações hipotéticas a realizar com o tempo ou durante a própria entrevista.
  • Teste de idioma.
  • Situação.
  • Exercício de computador.

Como se preparar para uma entrevista 

Agora que você já sabe o que é uma entrevista de emprego, os tipos e modalidades que existem, bem como sua estrutura, lembre-se das dicas a seguir para antes, durante e depois da entrevista.

ANTES DE EMPEZAR

  • Cuide da informação fornecida pelo seu CV indicando datas, funções e empresas. Lembre-se de trazer uma cópia física para o dia da entrevista.
  • Sempre que terminar sua experiência em um emprego, peça cartas de recomendação e referências para futuras entrevistas.
  • Antecipe o percurso que terá de fazer durante o dia da entrevista para evitar possíveis atrasos.
  • Você deve saber o nome da pessoa que irá entrevistá-lo para que possa solicitá-lo quando chegar à recepção no dia da prova.
  • Conheça a empresa e seu FIT corporativo (cultura corporativa: modelo de negócio, missão, visão e valores). É essencial que eles vejam que você se documentou e que você se interessou pela atividade deles.
  • Prepare respostas para possíveis perguntas para ganhar segurança e confiança na entrevista. Durante sua preparação, pesquise perfis online semelhantes ao solicitado na vaga. Isso o ajudará a focar seu discurso no que se espera que seja encontrado, destacando seus pontos fortes. Além disso, ajudará você a transformar suas fraquezas em oportunidades de melhoria.
  • Pense nas roupas que você vai usar durante esse dia. Cuidar da sua imagem pessoal é um dos aspectos mais importantes para causar uma boa impressão.

Tópicos sensíveis e perguntas impertinentes ou irrelevantes em uma entrevista

Como já mencionamos antes, em uma entrevista o seu papel também é importante. Como sujeito ativo, você tem o direito de responder às perguntas como achar melhor e de se recusar a fazê-lo se não forem pertinentes. Nem tudo vale, e há dúvidas sobre aspectos pessoais que as empresas não precisam saber. Além dessas situações, durante a entrevista eles podem lidar com certos assuntos delicados sobre os quais você deve estar preparado para não cair na paralisia.

Falta de experiência

As primeiras entrevistas quando você não tem experiência de trabalho costumam ser um grande desafio. Para fazer isso, você deve reverter a situação e aumentar sua motivação e iniciativa.

Nesse caso, a carta de apresentação será sua atitude e predisposição . Destaque seu entusiasmo e seu desejo de colocar seus conhecimentos em prática.

Demissões ou más experiências de trabalho

Outro dos temas que são abordados em uma entrevista é a carreira profissional. Há casos em que os candidatos trabalharam em poucos lugares e outros em que houve muita rotatividade. O entrevistador não conhece sua história, por isso é importante ser sincero e honesto ao discutir demissões ou outras experiências ruins de carreira. Para isso, lembre-se de contar a história, mas sem prejudicar a imagem da antiga empresa ou dos colegas de trabalho. Evite fazer julgamentos de valor.

Perguntas pessoais ilegais

Este é possivelmente um dos momentos mais difíceis durante uma entrevista de emprego. Muitas vezes, por desconhecimento, respondemos a perguntas que nada têm a ver com o trabalho. Lembre-se que por lei existe um tipo de perguntas que você pode se recusar a responder e que são até denunciáveis. Você não precisa falar se mora sozinho, como casal, se é casado ou solteiro, bem como sobre suas ideologias políticas ou convicções religiosas. Perguntas sobre religião, raça e orientação sexual são consideradas ilegais em um processo seletivo.

Minutos antes da entrevista

Antes de iniciar qualquer entrevista de emprego, os minutos anteriores demoram uma eternidade. Sem problemas. É normal você se sentir nervoso e questionar tudo. Para o grande dia deve ter em conta as seguintes dicas:

  • Tenha uma boa noite de descanso. Se você é uma pessoa muito nervosa, tente fazer exercícios ou beber infusões para diminuir o estado de ansiedade que a situação pode gerar.
  • Cuide de sua higiene pessoal. A primeira impressão pode determinar o curso da entrevista.
  • Use roupas apropriadas, mas ainda seja você mesmo. Claro, esqueça acessórios como chapéus ou óculos de sol.
  • A pontualidade é essencial para causar uma boa primeira impressão. Tente chegar com 5 a 10 minutos de antecedência para se posicionar e mostrar comprometimento.
  • Desligue qualquer dispositivo eletrônico que possa interromper a entrevista (smartwatches, telefones celulares…).

Durante a entrevista

  • Tente ficar calmo e relaxado.
  • Cumprimente os entrevistadores com confiança. Você deve ser educado em todos os momentos e não usar tuteo, se eles não pedirem.
  • Toda vez que você questionar o entrevistador, chame-o pelo nome, isso ajudará a conversa a ser mais próxima e fluida.
  • Seja sempre você sendo natural e amigável. Não force personalidades que você não tem. Isso pode ser mais prejudicial do que positivo.
  • Você deve ser simpático e mostrar-se com uma atitude predisposta durante as perguntas.
  • Preste atenção em tudo o que o entrevistador diz, evite interromper e mantenha sempre os olhos.
  • Em seu discurso, evite palavras como nunca, nunca ou sempre.
  • Além de responder ao entrevistador, lembre-se de que você tem um papel ativo na conversa. Seja claro sobre seus objetivos profissionais e pergunte sobre tudo que você considera importante.

A entrevista acabou… e agora?

Embora a entrevista tenha terminado, você deve continuar trabalhando. Tente levar o seu tempo para analisar e refletir sobre como foi. Aprenda com os erros e aprecie os aspectos positivos.

Nessa situação, pode ser que eles respondam depois de alguns dias, ou que, diretamente, você nunca mais tenha notícias deles. Em ambos os casos, caso você não seja o candidato escolhido, é recomendável que pergunte os motivos para se aprimorar em futuras entrevistas.

Se a empresa não entrar em contato com você depois de um tempo, você pode entrar em contato perguntando sobre o andamento do processo e sua solicitação . Muitas vezes não pedimos por medo, e você deve estar ciente de que seu tempo também é valioso.

Perguntas mais frequentes

  • Conte-nos sobre você e sua carreira
  • Conte-nos 3 qualidades e fraquezas sobre você
  • O que essa posição significa para você?
  • Conte-nos sobre uma situação que deu errado para você no trabalho e como você aprendeu com isso
  • Conte-me sobre uma situação estressante para você e como você lidou com isso
  • Gostas de trabalhar em equipa ou preferes individualmente?
  • Como você age em uma situação de desacordo com seu chefe?
  • Qual foi a sua maior realização profissional?
  • Por que você quer mudar?
  • Por que você estudou…?
  • Por que você quer trabalhar em nossa empresa?
  • O que você mais gosta neste trabalho?
  • Por que você mudou tanto de empresa?
  • Onde você se vê daqui a 5 anos?
  • Qual é o seu salário desejado?
  • Quais ferramentas você manipula?
  • O que você sabe sobre a nossa companhia?

Agora que você já sabe o que as empresas valorizam na hora de realizar uma entrevista de emprego, prepare a sua e mostre que você é o candidato ideal.

7 dicas de negócios verdes para ajudar a tornar sua empresa ecologicamente correta

Você esperaria que uma empresa com um nome como  Nature Nate’s Honey Co.  fosse um negócio bem verde. E de acordo com o CEO Nathan Sheets, a empresa, que produz mel 100% puro, cru e não filtrado, faz jus ao seu nome ecológico.

“Nós nos concentramos no meio ambiente e nas pessoas dentro dele”, diz Sheets. “A Nature Nate’s usa práticas sustentáveis ​​de negócios verdes em nossas instalações de produção e escritórios, melhora a saúde das abelhas e devolve os lucros às comunidades carentes”.

A Native Trails  é outra empresa focada no meio ambiente. A fabricante sustentável de cozinhas e banheiros conquistou recentemente  a certificação B Corp , designação dada a empresas que atendem a determinados padrões de desempenho social e ambiental.

“As ações de nossa empresa exemplificam nosso nome”, diz a fundadora e CEO da empresa, Naomi Neilson. “Nós nos esforçamos para causar um impacto positivo no meio ambiente e nas pessoas que nele vivem.”

Você pode verificar também como uma consultoria ambiental pode te ajudar na criação de uma empresa verde.

Benefícios de administrar um negócio verde

Neilson descobriu que seus funcionários gostam de trabalhar para uma empresa verde que se preocupa com o meio ambiente.

“Saber que eles estão trabalhando para um escritório ecologicamente correto aumenta o moral dos funcionários e ajuda a atrair novos talentos, especialmente millennials”, diz ela.

Inscreva-se para ficar à frente com nosso boletim informativo uma vez por semana, Business Class: The Brief. Espere insights e inspiração escolhidos a dedo para pequenas empresas – direto para sua caixa de entrada.

Parte superior do formulário

Se inscrever

Ao fornecer seu endereço de e-mail, você concorda em receber o Business Class: The Brief Newsletter da American Express. Para obter mais informações sobre como protegemos sua privacidade, leia nossa Declaração de privacidade.

Parte inferior do formulário

Mas mesmo que o nome da sua empresa não pareça verde, há benefícios em administrar um negócio verde. Mike Lash, fundador da  Denver Advertising, também descobriu que administrar um negócio verde afeta positivamente sua força de trabalho.

“Os benefícios de sermos  social e ambientalmente conscientes  são evidentes em nossa empresa, principalmente com nossa iniciativa de transporte para o trabalho”, diz Lash. “Aqui em Denver, temos mais de 300 dias de sol por ano, então recompensamos os membros de nossa equipe por irem de bicicleta para o trabalho pagando pelos ajustes de bicicleta. Se eles vão para o trabalho em determinados dias, também pagamos o almoço. ”

A iniciativa de bicicletas da empresa beneficia muito o meio ambiente e os funcionários, continua Lash.

“Andar de bicicleta é bom para a saúde física dos funcionários. Além disso, ao praticar atividades regulares, os funcionários têm a cabeça mais clara, o que  reduz o estresse  e ajuda nos ciclos de sono, criando uma atitude mais otimista e consciente.”

Gerir um negócio verde também pode beneficiar as relações com os clientes, acrescenta Jason Hunt, proprietário da  Hunt’s Services, uma empresa de serviços de ar condicionado, eletricidade e canalização.

“Uma vez que promovemos o uso de produtos de limpeza de alta eficiência, naturais e ecologicamente corretos, os clientes apreciam que nos preocupamos com o meio ambiente e sua saúde”, diz Hunt. “Também incentivamos o uso de aparelhos com maior eficiência energética, que podem reduzir os custos de energia do cliente em 50 a 80 por cento.”

Tornar-se verde também pode reduzir o consumo de água e eletricidade para sua empresa, acrescenta Stephen Lewis, diretor técnico do  milliCare Floor & Textile Care , um  sistema com certificação Green Seal  projetado para usar menos energia e água do que os métodos convencionais de limpeza.

“Reduzir as contas de serviços públicos melhora o resultado final”, diz ele.

Ser um negócio verde é certo para sua empresa?

Antes de fazer a transição para um negócio verde, é uma boa ideia analisar as consequências de fazê-lo, aconselha  Barry Breede , autor de  Transforming the Utility Pole  e diretor de inovação e marketing da  Koppers Utility & Industrial Products , que fabrica postes de madeira.

Solução do produto

Um novo conjunto de serviços para o seu negócio

O American Express Business Platinum Card® pode ajudá-lo a atualizar sua tecnologia, formar sua equipe e obter as soluções que sua empresa precisa. Desbloqueie mais de US$ 1.000 em valor por ano com créditos de extrato para compras selecionadas, inclusive com parceiros como Dell Technologies, Indeed e Adobe termos se aplicam.

“A transição para um  modelo de negócios verde  não é algo a ser feito simplesmente porque parece certo do ponto de vista ambiental”, diz Breede. “Tornar-se ecologicamente correto pode rapidamente tornar-se proibitivo em termos de custos. Operar um negócio verdadeiramente verde significa tomar decisões de negócios que criam valor ambiental e econômico de suas atividades.”

Breede sugere examinar estrategicamente o valor econômico e ambiental de buscar uma iniciativa, alinhando a iniciativa com suas estratégias de negócios mais amplas.

“Se houver alinhamento”, diz ele, “então as chances são boas, é uma iniciativa que criará valor real em vários níveis”.

Depois de determinar que administrar um escritório ecologicamente correto faz sentido para sua empresa, considere os seguintes métodos de negócios verdes.

  1. Comece com uma auditoria ambiental.

“Considere consultar um serviço externo de auditoria ambiental”, diz Breede. “Essa empresa pode sugerir uma variedade de mudanças, como reduzir as contas de energia elétrica, mudando para um sistema de iluminação baseado em LED e migrando para copos e recipientes reutilizáveis”.

  1. Use materiais recicláveis.

Quanto mais materiais recicláveis ​​você usar, mais ecologicamente correto seu escritório poderá ser.

“Usamos garrafas 100% recicláveis ​​e sem BPA para o nosso mel”, diz Sheets. “Os rótulos são biodegradáveis ​​e nossos pacotes de mel são 100% recicláveis. Nossas caixas de transporte são feitas com material 100% reciclado e 100% recicláveis. Os resíduos gerados no local são reciclados, como caixas, materiais de embalagem, papel, garrafas e cápsulas.”

  1. Reaproveite ou redesenhe seus produtos.

“As empresas podem ver reduções drásticas em seus custos operacionais internos ao redesenhar como seus produtos são feitos ou descartados”, diz Breede. “Em muitos casos, produtos que chegam ao fim de seu ciclo de vida útil podem ser reaproveitados como matéria-prima na criação de um novo produto, economizando dólares consideráveis ​​anteriormente alocados para a compra de material virgem.”

Neilson concorda.

Operar um negócio verdadeiramente verde significa tomar decisões de negócios que criam valor ambiental e econômico de suas atividades.

—Barry Breede, diretor de inovação e marketing da Koppers Utility & Industrial Products

“Como fabricante de produtos, o maior impacto que causamos está na forma como nossos produtos são feitos e nos materiais que usamos”, diz ela. “Sempre procuramos materiais que possam ter uma segunda vida. Reavaliamos continuamente nossos métodos de embalagem de produtos para melhorar seu quociente de sustentabilidade. Por exemplo, estamos considerando uma máquina que tritura papelão usado em material de embalagem.”

  1. Coloque lixeiras de reciclagem em todo o escritório.

“Como uma empresa verde, percebemos que nossos funcionários querem reciclar, mas tivemos que torná-lo conveniente para eles, então colocamos recipientes de reciclagem em todo o escritório”, diz Lash. “Oferecer oportunidades para jogar algo em uma lixeira azul em vez de uma cesta de lixo é a maior parte da batalha. Eu raramente, ou nunca, vejo qualquer coisa na lixeira que possa ser reciclada, então eu sei que está funcionando.”

  1. Incentivar e recompensar o comportamento ambientalmente consciente.

Na empresa de Lash, eles incentivam o uso de embalagens ambientalmente conscientes.

“Se os funcionários levarem seus almoços para o trabalho em recipientes de vidro ou tomarem café em suas próprias canecas, eu compro o almoço no dia seguinte”, diz Lash.

  1. Reduza o uso de papel.

“Não mostramos a um cliente uma prova em papel de um conceito há cerca de sete anos”, diz Lash. “Isso é significativo, porque na publicidade, os clientes estão acostumados a ver modelos em papel de ideias de campanha. Ao eliminar essas apresentações em formato físico, economizamos muito papel.”

Lash diz que sua empresa reduziu o uso de papel no escritório em 80%.

“Nossas equipes e clientes usam vários repositórios digitais de software e aplicativos em nuvem para comunicar e atualizar documentos, em vez de papel”, diz ele.

O negócio de Neilson também mudou para um  escritório quase sem papel.

“Foi um processo grande e desconfortável, mas valeu a pena”, diz ela. “Como muitas práticas ecologicamente corretas, a eliminação do papel teve outros benefícios. Economizamos muito espaço de armazenamento usado anteriormente para documentos em papel. Também nos tornamos muito mais eficientes em geral.”

  1. Faça com que todos participem.

Para administrar um negócio verde e um escritório ecologicamente correto, é vital que todos se dediquem a “esverdear a empresa”, acredita Neilson.

“Temos uma ‘Equipe Verde’ de  funcionários que fazem brainstorming  e ajudam a implementar muitas mudanças ecológicas no local de trabalho.”

Os funcionários da Neilson também participam de atividades de formação de equipe e iniciativas relacionadas à melhoria do meio ambiente.

“Nós nos reunimos para limpezas de trilhas e praias”, diz Neilson. “Também temos uma iniciativa chamada Native Trails Challenge. Isso envolve competir por milhas de caminhada que se traduzem em dólares de doação para organizações ambientais locais sem fins lucrativos.”

Introdução ao Licenciamento Ambiental

Como país, com grande parte de seu território coberto por florestas, e fruto de preocupações ambientais com o desenvolvimento sustentável, o Brasil possui políticas rígidas de exploração de seus recursos naturais. Assim, para que as atividades mercantis implementem algum negócio, é necessário que elas se submetam a um complexo processo administrativo, o licenciamento ambiental.

Nesse contexto, este trabalho, de forma introdutória e sucinta, explicará de forma objetiva e clara quais os tipos de licenciamento e seus procedimentos devem ser obtidos, bem como a competência de cada um dos entes federativos para licenciar.

O Licenciamento Ambiental no Brasil

Política Nacional do Meio Ambiente – PNMA estabeleceu o licenciamento ambiental como instrumento administrativo pelo qual o órgão de administração ambiental competente autoriza e estabelece as condições, restrições e as medidas de controle ambiental que devem ser obedecidas pelo empresário, pessoa física ou jurídica. , para localizar, instalar, expandir e operar empreendimento ou atividades que possam causar degradação ambiental.

Ou seja, qualquer construção, instalação, ampliação, funcionamento de estabelecimentos e atividades que utilizem recursos ambientais efetivos ou potencialmente poluidores, ou capazes de causar degradação ambiental, deve ter licenciamento prévio pelo órgão público competente.

A finalidade do Licenciamento é garantir a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar o desenvolvimento socioeconômico, a segurança nacional e a proteção da dignidade da vida humana.

Competência dos entes federativos para licenciar

Primeiramente, para ser licenciado, deve-se identificar qual ente federativo é competente para tanto. O processo, a fiscalização e a outorga de licenças serão realizados por órgãos do governo municipal, estadual ou federal, dependendo de diversos aspectos, como o tipo de atividade desenvolvida ou o porte. A competência para licenciar, a, é descentralizada: cada ente federativo tem seu próprio órgão ambiental responsável pelo licenciamento. No caso da União, por exemplo, o órgão licenciador é o órgão ambiental federal, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​- IBAMA.

De acordo com a Resolução CONAMA nº 237/97 , a competência legal para licenciar, quando definida em função dos impactos ambientais, ocorre de forma territorial, conforme segue:

  1. a) Competência Municipal: se os impactos diretos forem locais
  2. b) Competência Estadual: se os impactos diretos atingem dois ou mais municípios
  3. c) Competência do Governo Federal (Sindicato): se os impactos diretos atingirem dois ou mais estados;

Ainda, a Lei Complementar nº 140/11 definiu as competências para o licenciamento ambiental em decorrência da atividade exercida nos seguintes termos:

Nota: Existe a possibilidade de que, no licenciamento, haja ação complementar ou subsidiária por parte dos entes federativos. Ou seja, na ação suplementar, quando um ente federativo, como um Município, tem competência para licenciar, mas não possui órgão ambiental, o Estado do qual faz parte o substituirá. Ainda na atividade subsidiária, um ente federativo solicita outros auxílios para licenciar, no aspecto econômico, administrativo ou técnico.

Tipos de licenciamento

O licenciamento, a princípio, é feito por três tipos de licença: a prévia, a instalação e a operação, sendo cada tipo de licença relacionada a diferentes fases do projeto do empreendimento pretendido: projeto/planejamento, instalação/construção e operação. Ou seja, é um processo sistemático estabelecido de acordo com um conjunto lógico de encadeamento.

No entanto, em casos anômalos, tais fases serão estabelecidas de acordo com a peculiaridade do empreendimento, podendo ser emitidas de forma independente ou sucessiva, em função do tipo de empreendimento a ser realizado.

As licenças ambientais são estabelecidas pelo Decreto nº 99.274/90 , em seu artigo 19, e detalhadas na Resolução CONAMA nº 237/97 , ​​que são:

Preliminary License (Licença Preliminar – PL):

  • Esta licença somente será concedida nos casos em que o empreendimento tenha viabilidade ambiental, conforme verificado pelo Estudo de Impacto Ambiental (EIA). Aprovar a localização e desenho do empreendimento, estabelecendo os requisitos básicos e as condições a cumprir nas próximas fases da sua implementação;
  • Seu prazo de validade pode ser prorrogado até o máximo de 5 (cinco) anos, caso tenha sofrido atrasos, a pedido do titular da licença.
  • A Licença Prévia não autoriza o início de quaisquer obras destinadas à implantação do empreendimento;

Installation License (Licença de Instalação – LI)

  • Autoriza a instalação/construção do empreendimento de acordo com as especificações contidas nos programas e projetos aprovados pela licença anterior. Aprova a pré-operação, visando obter dados e elementos de desempenho necessários para subsidiar a concessão da Licença de Operação;
  • Seu prazo de validade pode ser estendido até o máximo de 6 (seis) anos, se comprovada a manutenção do projeto original e as condições ambientais existentes no momento de sua concessão.
  • Esta Licença não autoriza o início das atividades.

Operating License (Licença de Operação – LO)

  • Autoriza o funcionamento do empreendimento, após verificação do efetivo cumprimento das licenças anteriores, com base em constatações de fiscalização, relatórios de pré-operação, relatórios de auditoria ambiental, dados de monitoramento ou qualquer meio técnico de verificação do porte e eficiência das medidas de controle e mitigação ambiental. implementado;
  • O prazo de validade desta licença é de no mínimo 4 (quatro) anos, e no máximo 10 (dez) anos. Caso seja concedido com prazo de validade inferior ao máximo, poderá ter seu prazo de validade estendido até o limite de 10 (dez) anos, quando:
  1. a) Manutenção das condições ambientais existentes no momento da sua concessão;
  2. b) Implementação voluntária de um programa de gestão ambiental eficiente;
  3. c) Ausência de queixas e registos de apuramento e violação;
  4. d) Correção de não conformidades da última auditoria ambiental realizada.

Além disso, devido às peculiaridades de alguns projetos, ou devido aos recursos ambientais envolvidos, haverá licenças ambientais específicas. Como, por exemplo, nas atividades de pequenas agroindústrias e de baixo impacto ambiental, foram estabelecidas as seguintes licenças ambientais:

  • Licença Prévia e Licença de Instalação (LPI): autorizando a localização e instalação de frigoríficos e estabelecimentos que processam pescado;
  • Licença Única de Instalação e Operação (LIO): para outras atividades agroindustriais de pequeno porte e baixo impacto ambiental.

Nota: o empresário que construir, reformar, instalar ou operar em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, incorre na pena de prisão e/ou multa no art. Lei Brasileira de Crimes Ambientais.

Procedimentos para Obtenção

O licenciamento é um processo que se inicia com a submissão do processo licitatório, ou seja, o pedido de licenciamento é encaminhado ao órgão ambiental competente, onde serão informados os seguintes dados:

  • Nome e sigla da empresa (se houver);
  • Sigla da agência onde solicitou a licença;
  • Modalidade da licença exigida;
  • Finalidade da licença;
  • Período de validade da licença (no caso de publicação de outorga de licença);
  • Tipo de atividade a ser desenvolvida
  • Site de desenvolvimento de atividades

Posteriormente, o órgão ou órgão competente emitirá ao empreendedor o Termo de Referência, documento este que informará as diretrizes para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental e do Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA, exigidos durante a Licença Prévia, orientando os técnicos equipe, definindo o conteúdo, escopo e métodos a serem utilizados no empreendimento a ser avaliado.

O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) é um documento técnico científico que deve abranger os meios físicos, biológicos e socioeconômicos da área em que o empreendimento será doado. Identifica os impactos ambientais diretos e indiretos, positivos e negativos, imediatos e médio e longo prazo, temporários e permanentes. Por ser o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) um documento técnico, de natureza industrial, possui sigilo público, cabendo ao Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) dar transparência ao empreendimento, pois trata-se de um resumo claro, informações objetivas, para que qualquer parte interessada tenha acesso às informações.

Nota: A Lei nº 10.650/03 e a Resolução CONAMA nº 006/86 determinam que os dados e informações dos órgãos e entidades devem ser de acesso público e disponibilizados ao público em geral, e as licenças ambientais devem ser publicadas em qualquer uma de suas modalidades , incluindo pedidos de licenciamento. No entanto, no que diz respeito ao sigilo industrial, o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) tem seu acesso restrito.

Para obter a Licença de Instalação, é necessário elaborar um Plano de Controle Ambiental (PCA), contendo projetos para minimizar os impactos ambientais negativos e maximizar os positivos, ambos identificados pelo EIA/RIMA.

Ressalta-se que também existem outros estudos que abordam os aspectos ambientais que também podem se configurar como subsídio para a análise da licença exigida, como o Relatório de Controle Ambiental (RCA) e o Plano de Ação de Emergência (PAE), entre outros.

Por fim, para que a Licença de Operação seja emitida e as atividades do empreendimento pretendido possam ser iniciadas, os equipamentos e as condições das Licenças, Prévias e de Instalação, serão fiscalizados pelos órgãos competentes.

Benefícios dos cosméticos naturais

Hoje vamos falar sobre os benefícios dos cosméticos naturais para que você se convença – de uma vez por todas – de por que deve optar por produtos cosméticos orgânicos, sustentáveis ​​e que respeitem a sua pele e o meio ambiente.

Estima-se que as mulheres -e cada vez mais os homens- acumulem cerca de 2,5 kg por ano de toxinas provenientes de produtos cosméticos tradicionais. Você pode imaginar o impacto que isso pode ter na sua saúde?

Pense bem, a pele é o maior órgão do corpo e cada pessoa usa, em média, cerca de 10 produtos cosméticos básicos ao longo do dia: cremes, géis, xampus, creme dental, desodorante, colônia… etc.

Os números podem se tornar preocupantes, por isso e pela conscientização de adquirir hábitos de vida mais saudáveis, o uso de cosméticos naturais disparou nos últimos anos e o mercado de orgânicos continua crescendo.

De alimentos orgânicos a transportes mais sustentáveis, os cosméticos naturais fazem parte de uma mudança no estilo de vida.

Vai ser um dos últimos a aderir a esta tendência (necessária)?

Neste artigo, analisamos os benefícios dos cosméticos naturais para que você seja incentivado a dar o passo e renovar a prateleira do banheiro com cosméticos que cuidam de você e, claro, do nosso meio ambiente. Junte-se a nós até o final!

Benefícios dos produtos cosméticos orgânicos

Antes de listar os benefícios dos produtos cosméticos orgânicos , vamos começar definindo o que são cosméticos naturais.

Para definir cosméticos naturais, podemos dizer que são produtos cosméticos que incluem ingredientes ativos de plantas, flores e minerais que respeitam tanto o meio ambiente quanto a pele de quem o aplica.

Esses cosméticos, portanto, diferem dos cosméticos tradicionais porque não utilizam ingredientes químicos e sintéticos que podem alterar a pele e não são sustentáveis ​​com o meio ambiente.

Os princípios dos cosméticos naturais são extraídos levando em consideração os ciclos da natureza e as estações do ano para gerar o menor impacto possível.

Depois de entendermos o que é a cosmética natural, vamos listar 7 benefícios dos produtos cosméticos orgânicos:

  1. Os cosméticos naturais protegem e respeitam o meio ambiente.
  2. Evite alergias e reações cutâneas.
  3. Possui maior concentração de ingredientes ativos e evita ingredientes de enchimento.
  4. Os cosméticos naturais são adequados para todos os tipos de pele, especialmente para peles sensíveis.
  5. Os produtos cosméticos naturais têm melhor absorção e oxigenação.
  6. Não o expõe a ingredientes tóxicos que podem alterar a barreira da pele.
  7. Não contêm aromas sintéticos, conservantes ou perfumes artificiais.

Como você pode ver, os ingredientes ativos dos cosméticos naturais proporcionam muitos benefícios à pele. Na próxima seção, veremos as vantagens de usar cosméticos naturais vs. convencional.

Vantagens dos cosméticos naturais em relação aos cosméticos industriais

Os cosméticos naturais oferecem muitas vantagens sobre os cosméticos industriais , tanto em termos de saúde e sustentabilidade quanto de respeito ao meio ambiente.

  1. Os cosméticos naturais não incluem substâncias químicas tóxicas em sua formulação. Óleos vegetais, óleos essenciais, minerais, argilas, algas, extratos de flores e plantas… A natureza esconde os melhores segredos para a sua pele. Apostar em cosméticos naturais garantirá que sua pele manifeste seus incríveis benefícios desde a primeira aplicação.

Pelo contrário, os cosméticos industriais ou convencionais contêm grandes quantidades de substâncias químicas tóxicas, como os óleos derivados do petróleo, que a longo prazo podem causar problemas de saúde, alergias e reações cutâneas graves.

  1. Os cosméticos naturais são mais eficazes do que os cosméticos industriais. Isso tem uma explicação simples, pois não possui ingredientes tóxicos, a pele absorve melhor os ingredientes ativos, pois não precisa se proteger deles.

Além disso, se levarmos em conta os resultados a longo prazo, o uso de ingredientes ativos de cosméticos naturais fará com que nosso corpo obtenha maior regeneração celular na pele, retarde os sinais de envelhecimento e fortaleça o sistema imunológico. Pelo contrário, os cosméticos industriais são mais de curto prazo e acabam perdendo eficácia durante o uso contínuo, por isso não duram com o tempo e acabam te obrigando a trocar de produto com frequência.

Alguns exemplos de cosméticos naturais

Existem muitos tipos de cosméticos naturais. Alguns exemplos de cosméticos naturais podem ser máscaras caseiras e cremes feitos com ingredientes naturais, como abacate, aloe vera, azeite, limão… etc. aos feitos em laboratório, desde que cumpram uma série de requisitos. Para serem considerados cosméticos naturais, eles devem ser compostos por pelo menos 95% de ingredientes naturais ou ingredientes de origem natural. Além disso, pelo menos 5% do total de ingredientes devem ser provenientes de agricultura orgânica, representando pelo menos 50% dos ingredientes vegetais.

Outra característica é que os cosméticos naturais não contêm ingredientes de origem animal e não são testados em animais.

Carros elétricos são mais verdes

Os carros elétricos são mais ecológicos do que os carros a gasolina ou diesel por uma série de medidas-chave, com exceção da intensidade de carbono do processo de fabricação (embora isso mude à medida que economias de escala forem alcançadas por meio da produção em massa).

Eficiência energética

Os carros elétricos são muito mais eficientes energeticamente (85-90% eficientes) do que os carros com motor de combustão interna (17-21%), o que significa que eles usam menos energia para levá-lo de A a B.

Menos energia usada significa menos produção, o que, por sua vez, significa menos emissões de CO 2 produzidas por fontes de energia não renováveis ​​e pela cadeia de fornecimento de energia mais ampla.

Confira mais sobre carros elétricos a seguir.

Fonte de energia

No entanto, é frequentemente afirmado pelos céticos que os carros elétricos apenas transportam a poluição para a central elétrica; é chamada de “teoria do tubo de escape longo”.

Até certo ponto isso é verdade. Mas não observa que praticamente todas as usinas são mais ecológicas do que os motores de combustão interna em termos de eficiência energética e de carbono.

A mistura de geração de energia que realmente usamos para carregar carros elétricos no Reino Unido (que inclui energia eólica e solar, além de usinas de energia) é muito mais verde do que um motor de combustão interna e está ficando cada vez mais verde.

Emissões de escape

Os carros elétricos têm zero emissões de escape, o que significa que não emitem gases de escape nocivos ou fuligem em áreas densamente povoadas. Da mesma forma, com o carvão agora se tornando uma pequena parte do mix de energia, muito pouca poluição do ar é liberada da geração de energia moderna.

Em contraste, as emissões de gases de escape de veículos com motores de combustão interna são uma fonte significativa de CO 2 que contribui para as mudanças climáticas globais e poluentes do ar que prejudicam a saúde das pessoas em nível local.

A poluição do ar é frequentemente descrita como uma emergência de saúde pública, com a poluição do ar urbano em muitas cidades do Reino Unido bem acima dos limites seguros e não melhorando. Está claro que o transporte rodoviário é o principal contribuinte de gases nocivos e partículas e que a eletrificação é uma parte fundamental para reduzir isso.

Processo de manufatura

É verdade que construir um carro elétrico atualmente é mais intensivo em carbono do que construir um carro tradicional; principalmente devido à eletricidade utilizada no processo de fabricação das baterias de íon-lítio.

No entanto, à medida que as economias de escala melhoram e as energias renováveis ​​alimentam mais de nossas fábricas, as emissões totais de carbono por veículo diminuirão. Há um esforço geral entre os fabricantes para desenvolver novas ideias para um futuro neutro em carbono. Marcas de carros bem conhecidas como  BMW  e  Tesla   e o  Grupo Volkswagen fizeram compromissos impressionantes para reduzir e compensar as emissões, e a marca sueca de veículos elétricos Polestar foi ainda mais longe e promete produzir um carro “verdadeiramente” carbono zero  até 2030 – sem dependendo da compensação de carbono.

As emissões ao longo da vida de um EV já são cerca de três vezes menores do que as de um novo veículo com motor de combustão interna médio e, mesmo agora, um EV leva apenas cerca de 2 anos para superaro déficit de produção. É claro que esta situação continuará a melhorar à medida que a rede se tornar cada vez mais verde.

Carros elétricos têm melhor desempenho

Ao contrário do clichê, os carros elétricos são fundamentalmente superiores aos veículos a combustão em termos de potência, torque e aceleração. No geral, eles também se comportam melhor, devido ao baixo centro de gravidade com suas baterias pesadas montadas no chassi.

Para dar um pouco de detalhes sobre o quão espetacular o desempenho do carro elétrico pode ser, aqui estão algumas demonstrações impressionantes:

Tesla Model X batendo um carro esportivo Alfa Romeo 4C em uma corrida de arrancada, enquanto reboca e carro esportivo Alfa Romeo 4C.

Um clipe da  aceleração sobrenatural do Tesla Model S Plaid  (0-60 mph em 1,99 segundos!).

Volkswagen ID R tentando bater o recorde de carro elétrico de subida de montanha do Pike’s Peak. E, na verdade, estabelecendo um novo  recorde de todos os tempos, de todos os tempos, mais de 15 segundos mais rápido , que ainda não foi quebrado novamente!

Mas, é claro, até o Nissan LEAF oferece ótima agilidade na cidade. O torque instantâneo a partir de zero rotações torna todos os carros elétricos muito divertidos de dirigir.

Sim, para longas distâncias na pista, os motores de combustão ainda estão ganhando por enquanto, sua gasolina extremamente densa em energia dando-lhes melhor alcance, mas isso provavelmente mudará à medida que a densidade de energia nas baterias continuar a aumentar.

E, de qualquer forma, poucos de nós levam o carro para a pista. Queremos que o nosso desempenho se afaste das luzes, ultrapasse com segurança e desfrute de uma condução rápida (responsável) no campo. Em todos esses papéis, o carro elétrico está ganhando.

Dicas inteligentes de navegação

E se o seu motor falhar e você se encontrar à deriva em direção a uma costa a sotavento?
Você poderia ancorar com rapidez e confiança enquanto espera a ajuda chegar?

Veja mais: Confira também sobre Estaleiros se interessar sobre navegação.

Escolhendo seu lugar

A primeira coisa a acertar é escolher um bom local para ancorar. Aqui estão algumas coisas para pensar…

Considere o fundo do mar. A areia é ideal e a lama firme é boa. Obviamente você precisa evitar rochas. Se você nunca ancorado em uma baía antes… verifique o gráfico para ver o que está na parte inferior.

Enquanto você estiver verificando o gráfico, procure por cabos e nenhuma zona de ancoragem. Você precisa ter certeza de que está ancorando em um local adequado.

Em seguida, pense no clima. Se você estiver ancorando durante a noite, precisará verificar o que o vento fará. Se o vento mudar de direção durante a noite, você não quer acordar e se encontrar em uma costa a sotavento.

Pense na maré. Dependendo da sua localização, talvez seja necessário considerar a maré com cuidado.

Você deve ter água suficiente embaixo de você para quando a maré baixar. Então, se for maré alta e houver uma variação de maré de 2m, você gostaria de pelo menos 4m abaixo da quilha.

Finalmente, olhe para os outros barcos ao seu redor. Para que lado eles estão voltados? Onde é provável que sua cadeia esteja?

Em geral, tente ancorar perto de barcos semelhantes ao seu próprio barco – eles provavelmente terão comprimento de corrente semelhante e serão afetados da mesma forma pela maré e pelo vento. Evite ancorar perto de barcos ancorados – eles têm um balanço muito mais curto.

Agora é hora de soltar a âncora.

Soltando a âncora

Primeiro… é vital que você conheça seu barco, e isso se torna uma consideração especialmente importante se você fretou um barco e os sistemas não são familiares. Você precisa saber quais interruptores precisam estar ligados para que o guincho funcione. Em muitos iates há um interruptor de bateria separado para o guincho e um interruptor no painel de 12V. Seu iate também pode ter um interruptor de viagem. Você sabe onde é?

Agora, enquanto você estiver em águas claras, vá para a proa, levante o armário da âncora e prenda-o aberto.

Solte quaisquer amarras ou pinos que prendem a âncora. Anexe o controle do guincho, se necessário.

Então teste. Pressione brevemente o botão para baixo. Está funcionando? Excelente! Se não, já que você ainda está em águas claras, você tem tempo para procurar o problema.

Tenha uma conversa entre o leme e a tripulação. Decida como você vai se comunicar uns com os outros. Como o leme vai dizer à tripulação para começar e parar de lançar âncora. A deixa será verbal ou um sinal de mão? Se for verbal, a tripulação pode ouvir da proa ou está ventando muito? Em que profundidade você pretende ancorar? Quanta corrente a tripulação deve soltar?

Para decidir quanta corrente soltar, você precisa entender que sua corrente de âncora deve ficar ao longo do fundo do mar por uma distância antes de correr em direção ao seu iate. Isso significa que o peso do seu barco é convertido de uma força vertical para uma força horizontal e sua âncora é muito mais eficaz.

Então a regra de ouro… solte muita corrente! Nos dias anteriores aos sistemas de guincho, mais correntes significavam trabalho árduo para recuperar a âncora. Hoje em dia não há desculpas! Na maioria dos casos, solte 5 vezes a profundidade (isso também permite a profundidade da sua quilha), mas não se esqueça de permitir mudanças na maré também. Se estiver muito vento, vá para 6 ou 7 vezes a profundidade.

OK. À medida que você se aproxima de seu ponto de ancoragem, vá para a força mais significativa – maré ou vento. Se você não tiver certeza, olhe para a direção dos outros barcos. Motor para a frente lentamente, em seguida, pare o barco onde você deseja começar a lançar a âncora.

Agora, inverta muito lentamente e comece a soltar a âncora. Se você não tiver um indicador, é importante que a equipe conte as marcações da corrente ou braçadeiras para ver quanta corrente saiu.

Quando sua tripulação sinalizar que eles soltaram corrente suficiente, coloque o motor em ponto morto e espere o barco parar. Você sentirá a corrente ficar apertada (você pode sentir o aperto se colocar o pé nela).

Uma vez que a tripulação esteja feliz que a corrente está apertada, faça uma orientação visual com a costa e dê marcha à ré, a princípio suavemente, para fincar a âncora no fundo do mar, e aumentando gradualmente até que você esteja invertendo com bastante força por alguns segundos, às vezes, se você não tem certeza, até 30 segundos. Isso cava bem a âncora e você pode verificar se ela está bem colocada antes de relaxar.

Agora sente-se com o motor em ponto morto por alguns minutos e deixe seu barco se acalmar. Faça várias indicações visuais e verifique se você não está se movendo. Verifique se você não vai balançar em outro barco ou na costa.

Quando estiver feliz… relaxe e abra o bar!

Responsabilidade Ambiental: Quem pode ser responsabilizado?

Passivos ambientais e responsabilidade por passivos ambientais podem ser uma área de risco para diretores e controladoras se houver controle excessivo sobre atividades ou operações potencialmente poluidoras.

A Legislação Principal

A Diretiva de Responsabilidade Ambiental  sustenta a base legal para a responsabilidade ambiental. Os Regulamentos das Comunidades Europeias (Responsabilidades Ambientais) de 2008 (“ Regulamentos ”) transpuseram a Diretiva de Responsabilidade Ambiental para a lei irlandesa em 1º de abril de 2009. Os Regulamentos não podem ser considerados isoladamente e funcionam em paralelo com outros regimes legais e de licenciamento ambientais.

O objetivo do Regulamento é complementar os regimes ambientais pré-existentes. Os operadores são obrigados a prevenir ou minimizar os danos ambientais, mesmo quando não ocorreram, mas uma ameaça iminente de danos está ocorrendo. Um operador significa qualquer pessoa que opere ou controle uma atividade. Esta é uma definição ampla e pode incluir um diretor, acionista ou outro diretor de uma empresa se exercer controle suficiente sobre as atividades operacionais de um negócio.

A legislação se aplica a dois cenários de responsabilidade 1) danos ambientais causados ​​por atividades ocupacionais que incluem aqueles definidos nos regulamentos, incluindo atividades de resíduos, diretiva de emissões industriais, rotulagem de mercadorias perigosas e atividades integradas de controle de poluição; e 2) de forma mais geral às atividades que causam danos a espécies e habitats protegidos.

O operador é obrigado, sem demora, a tomar as medidas preventivas necessárias sempre que esteja ciente, ou deva razoavelmente estar ciente, de que existe uma ameaça iminente de dano ambiental. O descumprimento dessas obrigações é uma ofensa. As obrigações são autoexecutáveis ​​na medida em que a EPA não é obrigada a enviar um aviso para ativá-las.

Os operadores também têm a obrigação de restaurar, reabilitar ou substituir terras, águas, espécies protegidas ou habitats naturais danificados; os operadores são responsáveis ​​não apenas por remediar uma condição de linha de base, mas também por remediação complementar e compensatória.

Está prevista uma isenção de responsabilidade para os operadores que possam provar que o dano ou ameaça de dano iminente foi causado por um terceiro, apesar da aplicação das medidas de segurança adequadas, ou resultou do cumprimento de uma ordem ou instrução de uma autoridade pública.

Outra Legislação Relevante e Direito Comum

Os operadores cujas atividades ocupacionais estão fora do escopo dos Regulamentos podem ser exercidas usando as disposições das Leis EPA de 1992 a 2011, as Leis de Gestão de Resíduos de 1996 a 2011, a Lei do Governo Local (Poluição da Água) de 1977 (conforme alterada), as Comunidades Europeias (Aves e Habitats Naturais) Regulamentos de 2011 a 2015 e as Leis de Poluição do Ar de 1987 e 2011.

Até o momento, a EPA teve um recurso limitado aos Regulamentos, contando com eles apenas como uma medida de retrocesso, preferindo outros decretos pré-existentes em primeira instância. Isso certamente parece ser uma abordagem prática e razoável a ser adotada pela EPA, mas os operadores não devem ser complacentes com a extensão e a eficácia dos regulamentos que podem, em alguns casos, ampliar o escopo da responsabilidade dos operadores, além de outras obrigações legais que possa surgir.

Existe também a possibilidade de a responsabilidade ambiental surgir por meio da lei comum, que coexiste com os recursos legais mencionados acima e pode ser reivindicada em adição ou em substituição a tais recursos, incluindo os delitos de incômodo, transgressão, negligência e a regra em Rylands v Fletcher. A responsabilidade dos diretores corporativos decorrente do estatuto ou da lei comum também é relevante.

A posição em relação ao potencial passivo ambiental de acionistas e controladoras é interessante. Não há jurisprudência na Irlanda que considere especificamente a responsabilidade do acionista ou da empresa-mãe por danos ambientais, mas casos em outras jurisdições consideraram os fatores que poderiam levar um acionista ou as empresas-mãe a serem responsabilizados por danos ambientais.

Em particular, se houver um grau suficiente de controle sobre uma subsidiária ou confiança no conhecimento ou experiência superior de uma empresa-mãe na atividade operacional, esse é um fator que pode influenciar quando uma questão de responsabilidade ambiental estiver em disputa.

Se um acionista ou empresa-mãe deseja limitar sua responsabilidade potencial, é aconselhável que a subsidiária opere de forma independente da empresa, para evitar a duplicação de conselheiros e diretores e para evitar que os acionistas e a controladora se envolvam nas operações do dia-a-dia da empresa. Também é aconselhável que as decisões sobre a subsidiária sejam tomadas em reuniões dos diretores da subsidiária e documentadas separadamente. Para uma ficha informativa anterior sobre a gestão de subsidiárias, clique aqui .

A posição de responsabilidade dos diretores por danos ambientais foi considerada em vários casos sob a Lei de Gestão de Resíduos de 1996 a 2011 na Irlanda. Um diretor foi responsabilizado pela remediação e limpeza de um local onde o diretor estava envolvido na gestão ativa, controle e tomada de decisões em relação à atividade de resíduos não autorizada que está sendo realizada.

Passos Práticos – Como Abordar e Avaliar Passivos Ambientais

Podem ser tomadas medidas para reduzir a exposição. Os Regulamentos exigem que um operador tome medidas para prevenir e remediar uma ameaça iminente de danos ambientais e, portanto, os documentos contratuais da empresa e as disposições padrão em relação a danos ambientais e responsabilidade devem refletir essa obrigação legal.

Além disso, no contexto de qualquer transação (em particular relacionada a quaisquer atividades licenciadas pela EPA), a devida diligência apropriada deve ser realizada e, quando necessário, indenizações solicitadas aos proprietários anteriores e futuros. Pode ser necessária provisão financeira para cobrir o custo de passivos ambientais, por exemplo, cobertura de seguro, garantia da controladora, fiança, encargo sobre propriedade ou fundo garantido.

Como parte da avaliação dos passivos ambientais, é necessária uma revisão regular das obrigações de licença e dos sistemas de gestão ambiental para garantir que os sistemas eficazes de monitoramento e relatório, delegação àqueles com responsabilidade definida, estruturas organizacionais transparentes, treinamento e processos documentados e uma trilha de papel clara sejam mantidos

Tudo o que você precisa saber para encontrar e escolher uma construtora

Esteja você construindo uma nova casa ou reformando sua atual, há uma boa chance de precisar de um construtor licenciado qualificado para fazer o trabalho. Escolher corretamente é fundamental para garantir que o projeto funcione sem problemas e que tudo seja construído de acordo com as especificações corretas.

As construtoras têm como principal virtude fazer convergir uma equipe multidisciplinar de ofícios em um só lugar, para que você não precise contratar aqui ou ali, mas todos estão sob a supervisão do mesmo responsável.

O que os construtores fazem?

Há muitas tarefas diferentes que os construtores podem executar.

Estes incluem:

Obras Gerais de Construção – Em qualquer tipo de projeto, os construtores têm várias responsabilidades profissionais para a construção e supervisão de obras gerais, incluindo a construção, renovação, ampliação ou demolição de edifícios, estradas ou outras estruturas. Se o construtor faz o trabalho sozinho, ele pode fazer trabalhos estruturais em sua propriedade, como adicionar cômodos, remover paredes, etc.
Novas Casas: O construtor que você escolher poderá aconselhá-lo sobre muitas questões importantes a serem consideradas ao construir uma nova casa, incluindo logística, custos, seleção do local e atendimento contínuo ao cliente, apenas alguns.
Gerenciamento de projetos: os construtores geralmente não fazem o trabalho geral de construção, mas gerenciam e coordenam projetos, gerenciam a compra e entrega de materiais necessários para o projeto e gerenciam empreiteiros como encanadores, pedreiros, etc. e eletricistas.

Gerenciamento de projetos baseado em planos

Reformas – Um profissional da Construção Civil pode gerenciar todo o processo de reforma para você (o que pode lhe poupar muitas dores de cabeça) e permitir que você obtenha o melhor valor para sua reforma.Extensões Residenciais – Encontre um profissional de construção respeitável, qualificado e experiente para ajudá-lo a planejar e executar o processo final de renovação. Também vale a pena verificar se o construtor profissional selecionado está devidamente segurado e licenciado para o estado em que você reside. Você pode verificar esses detalhes com a associação de habitação local.
Condomínios e Terrenos – Empreiteiros/construtores que têm condomínios fechados e terrenos à venda às vezes também têm casas de shows. Vale a pena visitar as casas de show que as construtoras possuem, revisar as plantas e verificar a qualidade do acabamento de suas casas.
Edifício Comercial: Os construtores comerciais se especializam na construção de lojas, edifícios de escritórios, fábricas, edifícios comerciais (como shopping centers) e outros edifícios. Os construtores comerciais precisam de excelentes habilidades de logística, negociação e supervisão para garantir que seus projetos de construção sejam concluídos no prazo e dentro do orçamento.

Licenças – Os construtores também podem ajudar a organizar as licenças de construção necessárias para o seu projeto.

Os construtores de habilidades exigem

Os construtores precisam ter um conhecimento geral de todos os ofícios, não apenas dos seus; ser capaz de estimar as quantidades de materiais necessários para um projeto; avaliar a qualidade do trabalho realizado; organizar o local de trabalho; ter conhecimento das leis e estatutos relevantes; ser capaz de se comunicar com os clientes; interpretar desenhos de trabalho; estimar o custo de um projeto; e ser responsável pela gestão geral e financeira de um projeto.

Tipos de estilo e design de edifícios

Um construtor deve saber trabalhar com o estilo e design da sua casa, seja ela contemporânea, minimalista, etc. Eles também devem ser capazes de aconselhá-lo sobre maneiras de incorporar vários elementos em sua casa para combinar com o estilo existente. Qualquer nova edificação ou reforma deve ser complementar, ou seja, deve estar em harmonia com a paisagem e a edificação existentes.

O construtor é capaz de projetar uma casa que atenda às suas necessidades de energia e estilo? Muitos construtores se especializam em um estilo específico, então pode valer a pena procurar um que possa construir exatamente o que você está procurando. Se você não tiver certeza do que está procurando, um construtor poderá fornecer algumas ideias, um tipo de serviço de design, se desejar.

Pergunte também se o construtor tentará ser energeticamente eficiente ao construir ou reformar sua casa. Componentes de eficiência energética podem incluir construir a casa de uma forma que aproveite naturalmente a brisa, reduzindo a necessidade de ar-condicionado; aquecimento solar, luz; e incorporando recursos de economia de água em casa.

Escolhendo um construtor

Para garantir que você tenha o construtor residencial ou comercial certo para o seu projeto, há algumas coisas a serem consideradas.
1. Certifique-se de que o construtor esteja registrado e licenciado. Você pode verificar a licença por meio da autoridade estadual apropriada. É vital que o construtor seja licenciado, pois a licença protege você contra práticas comerciais ruins e trabalho inseguro.

  1. Verifique se o construtor possui o seguro correto, incluindo seguro de garantia residencial, seguro de riscos profissionais, seguro de funcionários. Peça para ver os certificados de seguro.
  2. Sempre obtenha pelo menos três cotações antes de escolher um construtor e certifique-se de que cada construtor inclua exatamente a mesma coisa. Tente ser o mais detalhado possível ao fornecer ao construtor a lista de elementos de que ele precisa. Verifique cada cotação para garantir que tudo esteja incluído e procure itens que pareçam muito baixos, pois pode haver custos ocultos no futuro. Não escolha um construtor com base apenas no preço. Lembre-se que este projeto será mais tarde a sua casa. Considere também sua reputação e experiência.
  3. Peça para ver exemplos anteriores do trabalho do construtor ou referências de clientes anteriores. Isso permitirá que você veja se o construtor pode trabalhar com seu estilo e especificações.
  4. Pergunte ao construtor que tipo de contrato eles usam. O contrato deve incluir todos os detalhes da obra e ser o mais preciso possível. Sempre reserve um tempo para ler o contrato com atenção e faça perguntas ao construtor se houver algo sobre o qual você não tenha certeza. Nunca assine um contrato até que você entenda completamente o que está coberto. Os construtores nunca devem pressioná-lo a assinar um contrato rapidamente para evitar aumentos de preços.

Como começa uma separação ou divórcio?

O rompimento de um casamento que termina em separação ou mesmo divórcio é difícil e doloroso para muitos, mas não precisa ser assim. É importante lembrar que a lei pode abranger cada situação dependendo de suas circunstâncias específicas.

Tendo tomado aquela complicada decisão de terminar o casamento, surgem algumas questões como: O que devo fazer para pedir o divórcio? E a guarda dos meus filhos menores? O que acontece se não concordarmos com a distribuição de nossos ativos? Existem vários tipos de divórcio ou separação que se adaptam a cada necessidade específica, e que analisaremos a seguir.

Se for de comum acordo ou amigavelmente:

Extrajudicialmente: 

Em primeiro lugar, nem sempre é necessário ir a tribunal: em certos casos, o divórcio pode ser processado perfeitamente fora do tribunal, o que é coloquialmente conhecido como “divórcio expresso”.

Se o casamento ainda for recente, a Lei de Jurisdição Voluntária é uma forma de tramitação da separação ou divórcio reservada aos pedidos de comum acordo entre as partes, e desde que não existam  filhos menores não emancipados  ou com capacidade modificada judicialmente que dependam de seus pais.

Esta última é uma forma rápida e barata através da qual os cônjuges podem separar-se ou divorciar-se três meses após a celebração do casamento. Para tal, dirige-se ao notário para conceder uma escritura pública, pessoalmente e assistida por advogado, na qual deve constar inequivocamente a sua vontade de separação ou divórcio e as medidas que regerão os efeitos produzidos pela separação ou divórcio.

Esses efeitos devem incluir os acordos sobre a atribuição do uso da casa de família, a pensão a que um dos cônjuges possa ter direito devido ao desequilíbrio causado pela ruptura e liquidação do regime económico.

Através do processo judicial:

Por outro lado, há a via judicial. Apesar do que você imagina, essa opção  pode ser rápida, simples e econômica, bastando a apresentação da ação e o acordo regulatório para sua posterior homologação no Juízo do último domicílio familiar. Além disso, possui vantagens como custos mais baixos, ao permitir que ambos os cônjuges atuem representados pelo mesmo solicitador e defendidos por um único advogado.

O que é um divórcio contencioso?

No divórcio contencioso, é apenas um dos cônjuges que ajuiza a ação, portanto não será anexada nenhuma proposta de acordo regulatório. No entanto, será necessário indicar no mesmo as medidas que devem ser adotadas quanto à guarda dos filhos, ao regime de visitação, às pensões alimentícias e compensatórias e ao uso da casa de família, para que sejam estabelecidas pelo Juiz no decreto que decreta o divórcio.

Este  procedimento é mais demorado e caro  e será seguido de acordo com as formalidades do procedimento verbal, embora com especialidades. Ajuizada a ação e respondida pelo outro cônjuge, o Juiz convocará as partes para audiência, à qual deverão comparecer com seus advogados e solicitadores. Se houver filhos menores, o Ministério Público também será parte.

Realizada a audiência, o juiz proferirá sentença decretando o divórcio e estabelecendo as medidas que regerão as relações dos cônjuges, bem como as destes com os filhos; e ordenará que seja registrado no Registro Civil. A inscrição na Conservatória do Registo Predial ou na Conservatória do Registo Comercial também pode ser solicitada, caso um dos cônjuges seja empresário.

Você pode passar de um divórcio contencioso para um amigável?

Há também a possibilidade de mudar de ideia no processo de divórcio ou separação. Se os cônjuges conseguirem chegar a um acordo durante o processo contencioso, este pode ser transformado em processo de mútuo acordo, ou seja, separação amigável ou divórcio amigável. Esta alteração é conseguida através da preparação e apresentação em tribunal de um acordo regulamentar, no qual ambos os cônjuges devem ratificar.

Exatamente o contrário também pode acontecer: se o processo de divórcio foi iniciado por mútuo acordo, uma das partes não ratifica a ação e o acordo que apresentou perante o tribunal, o processo de mútuo é arquivado e deve ser instaurado um processo .divórcio contencioso.

Daí a importância de poder contar com especialistas que assessorem adequadamente de acordo com cada circunstância, especialmente quando estão envolvidos interesses superiores, como os dos filhos, além de interesses econômicos ou patrimoniais.

5 dicas para fazer um currículo que chame a atenção

Um departamento de recursos humanos de uma empresa pode receber centenas ou milhares de inscrições para um único trabalho. Dentre todos eles, como podemos destacar nosso currículo?

Um currículo é uma carta de apresentação e, de acordo com o perfil, ajuda a saber se você é ideal para aquele cargo que faltava naquele momento dentro de uma empresa. No entanto, deve apresentar uma série de características, pois inicialmente é o guia com o qual você pode trocar informações relacionadas ao cargo e à organização em que deseja trabalhar.

Por isso, o principal objetivo de um currículo é atrair a atenção dos recrutadores, pois do contrário é muito provável que eles acabem te descartando e nem mesmo te chamem para iniciar o processo seletivo.

Veja também a empresa de recolocação profissional que pode turbinar e fazer você conseguir o seu trabalho dos sonhos.

Dicas para escrever um currículo

1- Informações de contato essenciais

Os dados que devem constar nas informações de contato são: seu nome completo, e-mail e seu celular. No entanto, essas informações podem ser preenchidas com seu site ou seu perfil do Linkedin. Embora pareça óbvio, é muito importante lembrar que todos os dados devem estar atualizados.

2- Escreva no computador e sem erros de ortografia 

Outro aspecto fundamental é que o currículo é muito bem organizado e de fácil leitura, pois quanto mais simples e visual ele for, mais provável é que os recrutadores o escolham. Além disso, não deve conter erros ortográficos, pois se contiver, é muito provável que recoloque os gestores nos processos seletivos.

3- Leia atentamente a descrição do trabalho. 

Isso significa que seu currículo varia de acordo com a posição para a qual você está se candidatando. É mais do que aconselhável adaptá-lo à empresa e desde que estamos a escolher. Desta forma, você mostra que dedicou tempo para personalizar o CV de acordo com os interesses da empresa.

4- Tenha uma carta de apresentação 

É altamente recomendável que o CV seja acompanhado de uma carta de apresentação, pois desta forma você pode explicar por que está interessado na vaga e na empresa, bem como por que devem escolhê-lo em relação aos outros candidatos.

5- Orientar a experiência para os resultados 

Além de explicar tudo o que você fez em uma empresa, é altamente recomendável que você também mostre quais foram os resultados do seu trabalho naquela empresa. Se você fornecer informações precisas, seu currículo será muito mais credível e atraente. Por exemplo: “Consegui aumentar as vendas em 15% no período de janeiro a junho de 2017”.

Gerenciar talentos dentro das organizações exige muito trabalho dos departamentos de recursos humanos. Saber quais perfis se encaixam no trabalho ou garantir um bom ambiente de trabalho são algumas de suas principais tarefas.