O que vale mais a pena: empréstimo ou financiamento?

O que vale mais a pena: empréstimo ou financiamento?

Empréstimo e financiamento são duas modalidades de crédito com vantagens e desvantagens diferentes. As duas, no entanto, podem ser recursos preciosos para os consumidores realizarem seus sonhos ou aliviarem sua situação financeira.

Neste artigo, você poderá entender quais as diferenças entre empréstimo e financiamento e em que situações cada um é mais indicado.

 

Empréstimo: entenda como funciona

O empréstimo pode funcionar de formas um pouco diferentes, mas o esquema básico é o mesmo: o consumidor solicita o empréstimo a uma instituição financeira e se compromete a pagá-lo em determinado prazo, com o acréscimo de juros.

No empréstimo não há necessidade de indicar a finalidade em que ele será utilizado. Algumas instituições podem até perguntar a finalidade do empréstimo, mas não há obrigatoriedade de usá-lo para um fim específico.

 

Quais as modalidades de empréstimo?

Os empréstimos podem ser classificados em algumas modalidades. A seguir te explicamos como funcionam as principais modalidades.

 

Empréstimo pessoal

O empréstimo pessoal é a forma mais simples de empréstimo. Nele, o consumidor não precisa dar garantias, nem precisa vincular o pagamento ao seu salário ou benefício. A instituição financeira, no entanto, faz uma análise de crédito do consumidor, em que são avaliados o histórico como pagador, as dívidas pendentes, o histórico como cliente da instituição (caso seja), a renda mensal, etc.

A partir da análise, o banco ou financeira pode determinar que opções de empréstimo tem para o consumidor e pode ou não liberar o crédito.

O empréstimo pessoal é de mais fácil liberação que outras formas de crédito. Por outro lado, ele costuma contar com taxa de juros mais alta e volume de crédito e prazo de pagamento menores. Isso se deve justamente à menor burocracia para acessar o empréstimo pessoal. 

 

Empréstimo consignado

No empréstimo consignado também não é necessário oferecer uma garantia. Por outro lado, ele é vinculado ao salário ou benefício do cliente, dos quais as parcelas são descontadas automaticamente.

Por conta disso, o empréstimo consignado é menos acessível, sendo oferecido principalmente para funcionários públicos, aposentados e pensionistas do INSS e trabalhadores com carteira assinada. Mas o empréstimo consignado tem a vantagem de apresentar taxas de juros mais baixas e volume de crédito e prazo de pagamento maiores.

 

Empréstimo com garantia

O empréstimo com garantia também é conhecido como refinanciamento. Isso já indica que seu funcionamento é parecido com os financiamentos.

No empréstimo com garantia, o consumidor oferece um bem de grande valor como garantia para a operação ser realizada. Normalmente, são oferecidos imóveis e veículos.

O empréstimo com garantia também conta taxa de juros menor e volume de crédito e prazo de pagamento maiores. Mas atenção: caso as parcelas não sejam pagas em dia, há o risco de se perder o bem para a instituição financeira.

 

Empréstimo online

A maioria dos empréstimos pode ser feita de forma online. No caso dos empréstimos com garantia, no entanto, uma parte do processo de contratação (a vistoria do bem) deve ser feita presencialmente.

O fato de ser feito online torna a contratação do empréstimo mais simples e menos burocrática. O consumidor pode acessar o serviço de casa, usando apenas um dispositivo eletrônico com internet.

 

E o financiamento, como funciona?

O financiamento é um tipo de crédito que também pode apresentar variações. A sua principal diferença para o empréstimo é a necessidade de indicar uma finalidade, com a qual o crédito deve obrigatoriamente ser usado.

 

As principais modalidades são: financiamento de veículo e financiamento de imóvel. A instituição credora faz uma avaliação das condições do bem e da situação financeira do potencial cliente, apresentando, então, propostas de financiamento.

Nessa modalidade de crédito as taxas costumam ser bastante baixas, e o volume de crédito é equivalente ao valor do bem em questão.

Enquanto as parcelas do financiamento estão sendo pagas, o bem é de propriedade da instituição financeira, mas o cliente pode usá-lo normalmente. Apenas após o pagamento de todas as parcelas é que a propriedade do bem passa para o nome do cliente. E, caso o financiamento não seja quitado regularmente, o banco ou financeira pode requisitar a desapropriação.

 

Afinal, qual a melhor opção: empréstimo ou financiamento?

O que define qual das duas opções é a mais adequada é a finalidade com que se usará o crédito. Se você deseja adquirir um bem de grande valor, especialmente um imóvel ou veículo, o mais indicado é o financiamento.

Se você deseja contratar crédito para pagar um curso universitário, por exemplo, o mais indicado é o financiamento estudantil. Para esses fins específicos, as instituições financeiras oferecem linhas de financiamento com condições muito favoráveis.

Por outro lado, se não há a pretensão de adquirir um bem específico, ou se o bem é de pequeno valor, o empréstimo é o mais indicado.

Mas qual tipo de empréstimo? Isso será definido de acordo com a urgência e o perfil financeiro do consumidor.

Se você possui um imóvel ou veículo em situação regular, o empréstimo com garantia é o mais indicado. Se é funcionário público, aposentado ou pensionista do INSS ou trabalhador com carteira assinada, o empréstimo consignado talvez seja a melhor opção. Já o empréstimo pessoal é indicado quando o consumidor não se encaixa nos casos acima e tem urgência de obter crédito.

 

Onde comparar online

Para achar o melhor empréstimo ou financiamento, os consumidores devem comparar as opções mais confiáveis disponíveis no mercado e escolher a que mais se encaixa nas suas necessidades.

Felizmente, hoje existem empresas que agilizam essa procura, através de simuladores de crédito. Trata-se de ferramentas que comparam automaticamente as principais opções de crédito, apresentam as condições de cada uma de forma detalhada e ainda podem ser usadas para iniciar a contratação.

O Juros Baixos, inclusive, disponibiliza um dos melhores simuladores de crédito do Brasil. Acesse agora mesmo e encontre o empréstimo ou financiamento perfeito para você.

O que são produtos químicos e que tipos existem?

Os produtos químicos ajudam a aumentar a expectativa de vida e melhorar as condições ambientais. No entanto, muitos desses produtos químicos presentes em todos os tipos de produtos de consumo diário são a principal fonte de contaminação. Neste blog vamos explicar o que exatamente são esses produtos químicos, como eles são divididos e quais tipos existem.

Veja também O que são produtos controlados?

O que são produtos químicos?

Quando falamos de produtos químicos nos referimos a esses componentes químicos produzidos por métodos químicos em laboratório ou industrialmente. Podem ser substâncias puras ou misturas de substâncias. Além disso, são considerados essenciais na sociedade, pois melhoram nossa qualidade de vida. No entanto, se não forem usados ​​corretamente, podem representar um risco à saúde.

Seus benefícios seriam, por exemplo, o uso de medicamentos para controlar doenças, aumentar a produção de alimentos na agricultura, desenvolver melhores combustíveis e até mesmo criar novos materiais para uso em transporte, vestuário e equipamentos eletrônicos.

Esses produtos são apresentados em diferentes graus de pureza, que se referem à proporção de uma substância específica na mistura total de substâncias. Graças a esta pureza, pode ser feita uma distinção clara entre produtos químicos técnicos (grau de baixa pureza) e produtos químicos finos (grau de alta pureza).

Na maioria dos casos, os produtos químicos se decompõem rapidamente no ambiente. No entanto, outros são liberados em altas concentrações, se decompõem lentamente e permanecem no ambiente por anos ou até décadas, mesmo que sejam quantidades relativamente pequenas. Esses tipos de substâncias são chamadas de persistentes.

Como eles são divididos?

Os produtos químicos podem ser divididos em:

Produtos químicos orgânicos

A química orgânica engloba todos os compostos que contêm carbono, hidrocarbonetos aromáticos, álcoois, cetonas, alcenos, aminas, sulfatos, fosfatos, etc.

Produtos químicos inorgânicos

Química ou matéria inorgânica refere-se ao resto dos elementos da tabela periódica e seus compostos. Estes incluem ácidos e bases, como ácido sulfúrico e amônia.

Que tipos de produtos químicos existem?

Existe uma grande variedade de produtos químicos para uso diário em casa. Seu uso e consumo devem ser conscientes e razoáveis. Especialmente, é necessário levar mais em consideração aqueles produtos que contêm substâncias corrosivas, reativas, tóxicas, explosivas ou inflamáveis ​​e aqueles que podem se tornar resíduos perigosos. Desta forma, espera-se prevenir riscos à saúde e ao meio ambiente. Aqui está uma breve descrição dos diferentes tipos de produtos:

Explosivos

São as substâncias e preparações que podem reagir exotermicamente, mesmo na ausência de oxigênio do ar. Ou seja, é quando as substâncias químicas têm a capacidade de liberar instantaneamente gás, vapor e calor, causados ​​por um choque súbito, pressão ou alta temperatura. E isso causa a violenta expansão dos gases.

Inflamável

Ocorre quando sua ignição, ou seja, seu início de combustão é mais rápido. Alguns exemplos são: gasolina, hexano, acetona, diesel, etc.

Oxidante

São aqueles compostos que causam ou promovem a combustão. Para que isso aconteça, ele deve ser combinado com um combustível sob certas condições de pressão e temperatura. Por exemplo: Oxigênio (O2), Halogênios, Ozônio (O3), etc.

Como escolher o tamanho correto para sua bicicleta?

Em uma bicicleta, qualquer que seja sua idade, sexo, nível, objetivos ou prática, há uma constante, senão universal, pelo menos compartilhada pela maioria dos ciclistas: a busca do prazer de pedalar otimizado. Isso requer conforto, mas também um certo desempenho e portanto, um certo nível de desempenho (não necessariamente esportivo). Obviamente, a verdade não é universal, mas sempre começa com a escolha de uma bicicleta para o seu tamanho.

A escolha de uma bicicleta obviamente depende da prática a que se destina. Também depende do seu nível, das suas ambições e, digamos, dos seus desejos. Portanto, não estamos comprando uma bicicleta de cidade para passeios ultra distantes, ou uma bicicleta de trilha para ciclocross!

Certamente vimos bicicletas urbanas em Paris-Brest-Paris e bicicletas de pista em circuitos de ciclocross … Mas a sua presença é mais anedota, folclore ou apenas ‘uma aposta perdida, apenas uma realidade séria. Por isso é importante escolher uma bicicleta adequada. Uma bicicleta capaz de garantir um certo conforto de utilização. Uma bicicleta para otimizar o seu rendimento ou, pelo menos, para garantir uma pedalada de qualidade, para uma velocidade média de acordo com as suas possibilidades. Uma boa postagem. A bicicleta certa para você.

Existe uma verdade na escultura? Existe algum tipo de teorema capaz de determinar as dimensões corretas para o quadro de uma bicicleta, como escolher calças ou uma jaqueta, dependendo de sua idade, tamanho ou físico?

As fórmulas existem, mas a verdade é bastante relativa. É até pessoal, até porque se trata de compromisso e valorização … Mas dificilmente pensamos nisso, antes de termos que enfrentar desequilíbrios, tensões, reações compensatórias do corpo e, às vezes, com dores que podem ser muito agudas (principalmente às nível das costas, pescoço, pernas, braços ou ombros).

Veja também o melhor seguro de bike para você proteger a sua bicicleta.

A questão da ergonomia

Não há segredo, estar bem posicionado na bicicleta é, acima de tudo, evitar muitas dores, ao mesmo tempo que melhora o desempenho. Os conceitos ergonômicos são imediatamente colocados em prática. A ergonomia é uma ciência em si. Portanto, é por natureza que você busca o máximo de precisão possível. Para atingir seus objetivos, ele deve lidar com o jogo da mecânica.

Deve-se levar em consideração o fato de que o movimento dos segmentos ósseos e articulações do ciclista, durante a pedalada, é limitado por cinco “obstáculos”. ”Essencial: ambos os pés (pressionando os pedais); a pelve (apoiada na sela); e ambas as mãos (segurando o cabide em vários lugares). Conforto e desempenho dependem desses cinco pontos de suporte em constante mudança.

As medidas corporais também estão ligadas à “história pessoal” (quedas, operações cirúrgicas, lesões, posição e gesto de trabalho, etc.) de cada usuário, bem como às especificidades naturais (flexibilidade, peso, sexo, resistência ao calor. ..) do mesmo usuário. E então o estado da forma está constantemente em ação. Uma verdade só é verdadeira em um determinado momento, em um determinado ambiente. O que é verdade agora provavelmente não será verdade em alguns minutos, algumas horas ou alguns dias. Na verdade, exatamente a mesma coisa nunca mais acontecerá!

E então falamos de pontos de apoio … Mais exatamente, estamos falando de superfícies de apoio. Na verdade, o corpo do ciclista, com suas imperfeições, é “vestido” para o esforço, com interfaces (calçados, shorts, calças, luvas, etc.) que mudam de acordo com os ciclos de pedalada e a aplicação de forças múltiplas.

Questão de prática

O papel determinante do ergonomista (muitas vezes um amigo que tem algum conhecimento de mecânica, um sócio do clube, etc.) é otimizar a pedalada, superar desequilíbrios no corpo (ou seja, no desequilíbrio de forças), harmonizar todos os movimentos da atividade de ciclismo. Isso é tanto mais verdade quanto hoje, a escolha da bicicleta é feita principalmente por meio de revendedores de produtos industriais. E esses revendedores devem fornecer uma série de dicas personalizadas ou customizáveis.

Uma bicicleta muito pequena ou muito grande (mesmo uma ou duas polegadas) não proporcionará o mesmo prazer, desempenho ou conforto que uma bicicleta do seu tamanho. E de uma prática para outra, teremos que nos adaptar. Como? O que? Da Caixa. Porque tudo começa na moldura.

Mais do que a moldura, é o triângulo principal (tubo do assento para altura, “horizontal” ou “tubo superior” para comprimento e tubo inferior para garantir a rigidez) da referida moldura, que determinará o tamanho dos periféricos (manivelas, guiador , haste ou espigão do selim). Mas, já deves ter reparado que, para certas práticas (nomeadamente urbanas), o quadro não é um simples triângulo (em particular para as chamadas bicicletas “senhora”, para bicicletas dobráveis ​​ou para bicicletas de carga. Nesse caso, será necessário contar com a altura do selim e a distância entre a ponta do selim e o guiador (na extremidade do espelho).

O quadro precisa ser adaptado à morfologia de seu usuário … Isso não significa muito. Vamos ver como encontrar o quadro certo, principalmente quando não há referência prévia. Nesse caso, é perfeitamente possível, senão desejável, avançar para um estudo postural. Este estudo permite estabelecer as dimensões ideais de uma bicicleta, de acordo com o físico da pessoa (ou da pessoa) que a usará. E ao contrário do que se possa pensar, esta solução não está reservada às pinturas à medida …

Mais do que isso será visto em uma rota vélo, taillé para o desempenho, será pas vrai para um vélo de ville ou para um VTT.

A altura correta

Desde que a bicicleta existiu (quase 150 anos), simples técnicos, cientistas e observadores, cheios de ideias, desenvolveram uma série de fórmulas (mágicas?) Para determinar o tamanho correto do quadro. Essas fórmulas partem do comprimento da costura interna (sem sapatos, encostado na parede, pernas ligeiramente afastadas, deve-se medir a altura do períneo), pois é a altura do tubo do selim (do suporte inferior até a parte inferior do espigão do selim) que determina o tamanho da bicicleta. As pinturas clássicas são “quadradas”, a altura é igual ao comprimento.

Para uma bicicleta de estrada, a fórmula válida é: comprimento da virilha (em cm) X 0,66 = tamanho ideal da bicicleta (em cm).

Para uma mountain bike, a fórmula correta seria: comprimento da virilha (em cm) X 0,59 = tamanho ideal da bicicleta (em cm).

Mas tenha cuidado, o tamanho de uma moldura nem sempre é expresso em cm. Pode ser em polegadas. Também pode ser expresso com letras (XS; S; M; L; XL; XXL …). Com um “tubo superior” em declínio, os códigos mudaram. Além disso, com as armações de carbono, os fabricantes industriais reduzem o número de moldes necessários para atender a 95% das demandas. No entanto, esses tamanhos variam de acordo com o fabricante …

O comprimento correto

Se a altura de um quadro é muito importante, especialmente para pedalar, também é (especialmente?) Importante prestar atenção especial ao comprimento do próprio quadro. Na verdade, é desse parâmetro que o conforto do piloto depende, especialmente em esforços prolongados.

Para calcular esse comprimento ideal, levando em consideração a morfologia de cada pessoa, você deve medir a parte superior do corpo; Para isso, é importante determinar a relação virilha (EJ) / cintura (T). Este cálculo permite que você determine a proporção correta de altura / comprimento para sua bicicleta.

Exemplo. Se EJ / T = 0,48, então comprimento = altura + 1 cm. Se EJ / T <0,48, então comprimento <altura + 1 cm; e se EJ / T> 0,48, então comprimento> altura + 1 cm.

Novamente, os fabricantes não adotaram regras que tornem as coisas muito mais fáceis. E a tradicional moldura “quadrada” já não é realmente a norma hoje, principalmente quanto à multiplicação de práticas (estrada, mountain bike, pedregulho …) e tipos de bicicletas (suspensas ou não, rígidas …) ou dos materiais utilizados tornar as coisas ainda mais complicadas.

Abaixo estão algumas tabelas puramente indicativas, baseadas em médias (pode haver grandes diferenças de um indivíduo para outro, enquanto o tamanho da mesa não será o mesmo para um homem e uma mulher da mesma construção) dependendo do tamanho e de cada tipo de bicicleta no mercado. Cuidado, se você estiver andando entre dois tamanhos, não demore, pegue sempre o menor, se a sua bicicleta for bastante esportiva … E o maior se você for mais contemplativo.

Tenha em mente, finalmente, que o mesmo tamanho de quadro funcionará igualmente bem com rodas de 26 “, 27,5” ou 29 “(para MTB); ou com rodas 650 ou 700 (para estrada) ou com rodas de 20” ou 24 “. ( para bicicletas dobráveis). Mas se você tiver menos de 1,60 m, prefira rodas menores. Sua bicicleta será mais gerenciável. Rodas maiores acima de 1,60 m resultarão em uma bicicleta mais estável. Quanto maior a distância entre eixos, mais estável será a bicicleta, mas menos manobrável é.

Transtorno de personalidade: quais são os sintomas e tratamentos

Transtorno de personalidade: quais são os sintomas e tratamentos

Transtorno de personalidade: quais são os sintomas e tratamentos

Atualmente é muito ampla a lista de transtornos diagnosticados, outros já são bem conhecidos pela sociedade, como a ansiedade, depressão, bipolaridade. Outros têm aparecido como novidade, através de estudos e pesquisas como os transtornos  de personalidade e  a fim de atender da melhor maneira os pacientes, trazendo bons resultados e estabilidade, são criadas, desenvolvidas e aplicadas diversas linhas de atendimento.

 

A área da psicologia se mostra cada vez mais em crescimento. Seja pelos estudos realizados e descobertas surpreendentes ou pelas linhas de segmento que se criam para tratar o paciente de maneira adequada de acordo com cada transtorno. Considerado uma “máquina” surpreendente, o cérebro ainda vem sendo pesquisado e é impossível acreditar que apenas um segmento consiga tratar tantas áreas na parte da psique. Com isso, aumenta o número de possibilidades de atendimento para o terapeuta, que deverá previamente ter sua formação correta na área da psicologia e aumentar seu currículo com especializações focadas em áreas específicas.

Transtorno de personalidade: quais são os sintomas e tratamentos

Quais os transtornos de personalidade são mais comuns?

Há um transtorno que carrega consigo uma lista de ramificações, o transtorno de personalidade. Como dito previamente, para o  tratamento do mesmo, é necessário uma formação acadêmica superior na área da psicologia e uma especialização com curso de transtorno de personalidade para entender a fundo do que se trata, qual melhor abordagem e tratamentos.

 

Dentro dessa lista que está inclusa nesse transtorno, será exposto os mais comuns, como o transtorno de personalidade paranoide, onde o paciente tem a tendência a desconfiar dos outros, acreditar que está sendo enganado por todos e assim acaba sendo hostil ou não tendo apego emocional com outras pessoas.

 

Outro assunto muito comentado atualmente, é o transtorno de personalidade borderline, onde é latente o medo do abandono, fazendo com que os relacionamentos sejam intensos e instáveis, com reações explosivas e atitudes auto destrutivas.

Quais são os tratamentos para os transtornos de personalidade?

Inicialmente se faz necessário o diagnóstico correto com uma consulta ao psicólogo ou psicoterapeuta, onde é feita uma avaliação mental pelo especialista, que analisará os sintomas, a gravidade, e até o histórico médico e familiar. Amigos e familiares são, em sua maioria, peça fundamental para colaboração do diagnóstico já que os mesmos acabam percebendo algumas atitudes que fogem da normalidade.

 

Em geral, o médico avalia de que maneira a pessoa se enxerga, como se relaciona e qual sua percepção de mundo. O mesmo poderá inclusive direcionar o paciente para outro profissional que esteja mais habituado ao transtorno específico e que tenha mais habilidades naquela área. A terapia, ou a psicoterapia, são indicados nesses tratamentos podendo ser tanto em atendimento individual como em grupos. Isso varia de acordo com a necessidade do paciente e as abordagens aplicadas. 

 

Os transtornos de personalidade podem ser diagnosticados por profissionais como os clínicos gerais (que encaminharão para os especialistas na área para tratamento adequado), neurologistas que tomarão o mesmo posicionamento dos clínicos e os psiquiatras e psicólogos que determinarão qual será o próximo passo. Em alguns casos, o tratamento precisa ser auxiliado com o uso de medicações específicas que serão receitadas da maneira correta por um profissional da área.

 

Continue lendo nosso site!

Agente administrativo: o que faz

Agente administrativo: o que faz

Agente administrativo: o que faz

Um agente administrativo ganha em média R $ 1.825,98 no mercado de trabalho brasileiro, em uma jornada de trabalho de 43 horas semanais com 960.828 salários.

 

A faixa salarial do agente administrativo é de R $ 1.556,82, o salário médio pesquisado, até o teto salarial de R $ 3.493,40, onde R $ 1.666,56 é a média do salário mínimo de 2.021 nos acordos coletivos de trabalho, incluindo os profissionais CLT em todo o Brasil.

Agente administrativo: o que faz

O perfil ocupacional mais comum é o do trabalhador de 19 anos que concluiu o ensino médio e trabalha 44 horas semanais em empresas do segmento de trabalho temporário.

 

A cidade com mais contratações e, portanto, com mais vagas para agentes administrativos é São Paulo – SP.

 

Esteja ciente de que os salários mostrados aqui não incluem quaisquer salários adicionais, como bônus, comissões, condições insalubres, trabalho perigoso, combinação de funções, tempo de descanso, etc. Apenas o salário base mensal é relatado após a rescisão do contrato de trabalho ou emprego e / ou CTPS.

O que um agente administrativo faz

  • registrar reclamações de clientes;
  • liderar a equipe em direitos e responsabilidades;
  • solicitar recursos para viagens;
  • fornecer informações sobre bens e serviços;
  • coletar recomendações pessoais;
  • preparar correspondência;
  • Ser persistente;
  • encaminhar protocolos internos;
  • seguir organogramas, fluxogramas e programas;
  • um mapa da área de atuação;
  • realizar procedimentos de recrutamento e seleção;
  • demonstrar facilidade de comunicação;
  • aumentar a necessidade de material;
  • demonstrar habilidades de observação;
  • solicitar a compra de materiais;
  • cumprir responsabilidade;
  • solicitar documentos;
  • verificar o material solicitado;
  • fornecer suporte operacional para o desenvolvimento de diretrizes técnicas;
  • controlar a entrega de malas e recibos;
  • contornar situações adversas;
  • ajustar contratos;

Algumas funções no desempenho da profissão

  • atender clientes e / ou fornecedores;
  • controlar processos administrativos;
  • documentos de processo;
  • preparar relatórios, formulários e tabelas;
  • compradores potenciais;
  • realizar procedimentos de apoio na área de recursos humanos;
  • fornecer suporte logístico;
  • demonstrar habilidades pessoais;
  • documentos completos;

Demanda do mercado de trabalho por uma posição

Agente Administrativo é um cargo que tem tido grande procura no mercado de trabalho brasileiro nos últimos meses.

Na comparação com novembro de 2020 e outubro de 2021, tivemos um aumento de 17,81% nas formalidades com carteira assinada.

Os setores que mais empregam agentes administrativos no Brasil

Listar os segmentos de atividade econômica das empresas com maior número de admissões ao cargo de agente administrativo.

 

O termômetro certo para nos informar os setores da economia com maior demanda por contratação de profissionais para o trabalho e salários pagos em média em cada setor.

 

Esta é uma estatística muito importante para um agente administrativo em busca de uma recolocação no mercado de trabalho ou da primeira oportunidade de emprego.

 

Os segmentos de empresas são listados de acordo com a descrição cadastral CNAE de cada empresa (CNAE – Classificação Nacional de Atividade Econômica) antes da receita federal.

O que faz

O agente administrativo executa diversas ações administrativas, como preenchimento de formulários, emissão de relatórios, inserção de dados no sistema de controle, análise de imagens relacionadas a infrações de trânsito, apoio a auditorias de processos, verificação de documentação, montagem de processos de análise e avaliação e outros procedimentos relacionados ao post.

 

Mercado de trabalho

O agente administrativo está presente em empresas privadas de diversos segmentos e órgãos governamentais. O mercado de trabalho para esse profissional é muito procurado. Para exercer esta atividade, o candidato deve possuir formação superior em gestão e também conhecer números e atividades administrativas em geral.

 

Quanto ganha um agente administrativo em concurso público?

Profissionais que concluíram o ensino médio e são contratados como agentes administrativos também podem buscar emprego em órgãos públicos por meio de concorrência.

 

O salário de um agente administrativo com concurso público é de R $ 2.784,12 por 40 horas semanais de trabalho, segundo 7.552 profissionais recrutados em licitações públicas de órgãos municipais, estaduais ou federais.

 

Sem dúvida, seguir a carreira de agente administrativo é uma ótima opção, pois o salário do setor público é cerca de 34% superior à média salarial do setor privado.

 

Lembrando que quando um agente administrativo é contratado como agente governamental, ele também entra no regime da CLT, ou seja, pode exercer a função de recrutamento governamental na gestão direta ou indireta, em empresas públicas, sociedades de economia mista e fundos de private equity públicos.

 

Quanto ganha um agente administrativo por dia de trabalho

A proporção da jornada de trabalho e salários. Filtro seletivo com 960 828 profissionais admitidos e demitidos. A lista cobre apenas um agente administrativo em tempo integral. Ideal para saber a exata remuneração horária de um profissional.

 

Salário baseado no nível profissional e tamanho da empresa

Um agente administrativo Nível I ganha em média R $ 1.785,26, Nível II cerca de R $ 2.019,54 e Nível III tem um salário médio de R $ 2.425,94 por mês.

 

Salário por tamanho da empresa

Este estudo mostra a faixa salarial em que se situa o cargo de agente administrativo, dependendo do porte da empresa. Segmentos: MEI – Sociedade Unipessoal, Microempresa, Pequena Empresa, Média Empresa e Grande Empresa.

 

  • MEI: não é permitido mais de 1 funcionário;
  • Micro: até 19 pessoas;
  • Pequeno: de 20 a 99 funcionários;
  • Média: 100 a 499 funcionários
  • Grande: Mais de 500 funcionários, seja no comércio, serviços ou indústria.

 

Salário de nível profissional

Objetivamos aqui relacionar a remuneração dos cargos de agente administrativo de acordo com o nível de experiência do profissional na empresa anterior ao seu desligamento. 

 

  • * Agente Administrativo de nível I: até 4 anos;
  • * Agente Administrativo de nível II: de 4 a 6 anos;
  • * Agente Administrativo nível III: mais de 6 anos na empresa antes do desligamento;

 

Interessado na área? Clique aqui!

 

Continue lendo nosso site!

O processo e as etapas de construção de um edificio

Quando você mora em uma cidade grande e em constante crescimento como Santiago, é muito comum ver prédios em construção em todas as áreas. Na verdade, a construção tende a se concentrar em determinadas áreas por períodos devido a mudanças que o plano regulatório da cidade pode ter sofrido . Certamente você já se perguntou como é o processo para que uma obra acabe se transformando em um prédio onde muitas pessoas e famílias viverão por muitos anos de suas vidas ou onde empresários possam instalar seus escritórios, entre outros usos possíveis. Nesta publicação compartilhamos um pouco sobre o processo de construção de uma edificação para que você possa aprender mais sobre ele.

Confira a seguir: descubra mais sobre trabalhar em construção civíl.

 

Projeto de arquitetos

O primeiro passo que vai para a construção de um edifício é o projeto do mesmo. Depois de avaliar o terreno que lhe pertence e analisar o plano regulatório da área, os arquitetos recebem a planta do espaço que vão disponibilizar e desta forma, com programas de design profissional, podem gerar maquetes de como ficará o edifício e cada um dos apartamentos do mesmo. Isso passa por intermináveis ​​aprovações internas da imobiliária responsável pelo projeto e também de muitos outros profissionais como um especialista em saúde, calculador, eletricista e muitos outros que vão avaliar se tudo está perfeito e sua construção é segura.

Apresentação do projeto no município

Para iniciar um projeto imobiliário, seja de urbanização ou de construção, não basta ser proprietário do terreno. Antes de poder iniciar qualquer projeto deste tipo (loteamento, incorporação de imóveis, construções, ampliações, reformas, etc.), deve-se obter autorização municipal.

Estas autorizações e certificados são concedidos com base na apresentação adequada de todos os antecedentes necessários em que os respectivos profissionais devem participar, garantindo assim que todas as regras para a realização destes trabalhos são respeitadas.

Alguns dos motivos pelos quais a lei exige a aprovação prévia de todos os projetos de obras são para garantir a segurança e a saúde das pessoas e do bairro, e também para manter o desenvolvimento harmonioso da cidade quando da construção de um novo prédio. Em nenhum lugar se pode “chegar e construir”, qualquer alteração nas edificações do país deve ter autorização prévia do município correspondente.

Uma informação importante sobre esta etapa da construção de edifícios é que coincide com a venda “em branco” , portanto, uma vez que o início do projeto seja aprovado pelo município correspondente, pode-se iniciar a venda dos imóveis.

Demolição antes da construção de um edifício

Quando a imobiliária vai utilizar um terreno que já possui um prédio já construído, deve ser realizada uma demolição. Este é um processo muito delicado, exigindo uma avaliação profissional do local e do seu entorno para garantir a segurança de tudo o que está ao redor da área.

A empresa que se encarregará da demolição deverá realizar um processo seletivo de avaliação e fiscalização, encarregar-se de colocar toda a sinalização necessária para garantir a segurança dos transeuntes, cancelar as ligações de serviço (gás, água, luz, etc. …) e fiscalizar as caves e espaços fechados que o edifício possui para que não haja gases ou elementos tóxicos. Por fim, a ideia é que os responsáveis ​​por esta etapa saiam do terreno em condições que permitam o início da construção de uma nova edificação.

Início de escavação

Antes de se poder iniciar a construção, deve ser realizado um processo de escavação, para se chegar à planta inicial da edificação e o acondicionamento dos espaços para as fundações. O tipo de escavação dependerá do solo com o qual você está trabalhando, que pode ser comum ou rochoso. Em geral, podem ser realizadas manualmente ou com maquinário pesado, sendo que a utilização de cada uma dependerá de qual for mais adequada para cada ocasião, levando em consideração a magnitude dos volumes de terra a serem movimentados e o tipo de material com qual é tratado.

O início da comercialização do “verde” coincide com esta fase da construção, uma vez que o desenvolvimento da obra já foi iniciado oficialmente.

Construção de um edifício

Quando o terreno estiver preparado, é hora de instalar e inspecionar o encanamento e as bases da fundação. Em seguida, são lançados os alicerces e iniciada a construção do que é conhecido como o “esqueleto” da obra: as paredes exteriores, as divisórias interiores e o tecto são montados.

Posteriormente, o edifício começa a adquirir uma forma mais próxima do seu produto final quando se inicia o processo de montagem do ar condicionado, onde são instalados todos os revestimentos, tectos, portas e janelas exteriores. Fechando esta etapa, entre nas instalações elétricas, mecânicas e tudo relacionado ao encanamento. Ou seja, tudo que seria a canalização de água e esgoto, a fiação elétrica, a segurança, a iluminação e tudo o que corresponderia aos “intestinos” do prédio em construção. Também podem ser incluídas instalações especiais como elevadores, transformadores elétricos, rampas de lixo verticais, painéis solares, etc.

Rescisões

Quando todas as etapas anteriores estão prontas, chega-se à fase onde todos os detalhes finais começam a ser lapidados, como a pintura de todas as paredes do prédio, a instalação de portas, caixilhos, revestimentos de pisos, bancadas, armários, eletrodomésticos ., espelhos, luzes, torneiras, chuveiros e todos os retoques para finalizar o projeto.

Recepção final pelo município.

A última etapa deste processo é a recepção final ou a recepção final, onde basicamente o edifício é “aceite” pelo município. Nesta etapa, a Diretoria de Obras reconhece a obra como edificação e, após a aprovação do pedido, a obra está em conformidade com o regulamento.

Neste momento, verifica-se que tudo o que foi apresentado ao município no início foi cumprido e que algo diferente do que foi aprovado não foi construído. Feita a recepção final, as unidades podem começar a ser entregues aos seus novos proprietários e, no que diz respeito à venda, inicia-se a fase de venda com “entrega imediata”.

Dicas para escolher um bom advogado

Em situações específicas em que é necessário contratar um bom advogado, deve-se levar em consideração vários aspectos na hora de escolher o melhor advogado, como escolher o profissional que melhor se adapta às suas necessidades, como encontrá-lo ou como saber qual é o certo. para o seu caso. Para o ajudar na sua escolha, damos-lhe algumas dicas para escolher um bom advogado.

Só um verdadeiro profissional deve ter  qualidades importantes, como honestidade, sinceridade, conhecimento, profissionalismo e experiência entre outras, que devem ser colocadas a serviço do cliente. Reserve um tempo para escolher o advogado certo, pois disso dependerá o futuro do seu caso.

10 dicas para escolher um bom advogado

Mantenha estes dez pontos básicos em mente ao escolher um bom advogado para lidar com o seu caso:

1- Advogado com especialização no ramo

Procure um advogado especializado no ramo de Direito que você precisa, pois ele lhe oferecerá maiores garantias do que outros profissionais especializados em outros ramos do Direito. É importante que ele forneça informações sobre seu problema jurídico e que ao mesmo tempo transmita segurança para você.

2- Advogado experiente

A experiência do advogado traz confiança, escolha sempre um profissional que tenha experiência no assunto.

3-  Referências do advogado

É importante que o advogado tenha boas referências; Deixe-se aconselhar por amigos, familiares ou colegas de trabalho que se encontrem na mesma situação e que o possam aconselhar sobre o assunto. Escolha sempre profissionais com referências positivas.

4- Informações

Escolha um advogado que o manterá sempre informado da evolução do procedimento e que se comprometa a resolver o problema de forma eficaz.

5-  Localização

Se o advogado atender aos requisitos acima, é muito positivo que seu escritório esteja localizado próximo a sua residência, o que será confortável e você poderá realizar entrevistas com mais frequência.

6-  Honorários do advogado

Procure um profissional honesto, que não seja abusivo em seus honorários e que, ao contrário, tenha tarifas claras e justas. Solicite um orçamento com antecedência, que inclui todas as despesas previstas.

7-   Seus interesses acima

O melhor advogado será aquele que coloca os seus interesses acima de tudo e não sai por interesse, nem o leva na direção oposta; honestidade e profissionalismo devem ser seus cartões de visita.

8-  Responda suas perguntas

Escolha um bom advogado que seja honesto e responda com clareza a todas as suas perguntas; No primeiro encontro, você deve perceber como ele age quando questionado; profissionalismo, experiência e referências são pontos a seu favor.

9- Acessibilidade

Procure um bom  advogado, de fácil contato e acessível, que atenda às suas ligações e e-mails, para qualquer dúvida sobre o assunto em questão.

10-  Qualidades do advogado

Procure qualidades como conhecimento e raciocínio no advogado, não só você tem que saber, mas tem que saber raciocinar de forma contundente os argumentos, para fazer valer os direitos que defende.

Energia eólica: vantagens econômicas e ambientais

A energia eólica é obtida através do vento em parques eólicos. É uma energia cinética gerada pelas correntes de ar que se transforma em outras formas de energia úteis para o nosso dia a dia. As vantagens da energia eólica são muitas: são um recurso abundante, renovável e limpo e, graças a ela, em 2014 a emissão de CO2 na atmosfera foi reduzida em 71,5 milhões de toneladas, o equivalente às emissões totais de Portugal em um ano.

Embora a sua potência seja conhecida desde a antiguidade, só em 1980 é que esta energia limpa e renovável recebeu um verdadeiro impulso e, desde então, continuou a crescer graças aos seus enormes benefícios ambientais e económicos.

Benefícios ambientais da energia eólica

  • O vento é um recurso inesgotável, o que torna a energia eólica 100% renovável.
  • É uma energia limpa e não poluente: cada megawatt de vento instalado evita a emissão de 2.900 toneladas de CO2 na atmosfera.
  • Os parques eólicos são fáceis de desmontar uma vez que já não têm utilidade e não deixam marcas, pelo que o terreno pode ser reaproveitado para outros fins.

Vantagens econômicas da energia eólica

  • A produção de um megawatt / hora (MWh) de energia eólica contribui mais para o Produto Interno Bruto (PIB) do que a produzida com gás.
  • Gera 5 vezes mais empregos do que as energias convencionais.
  • É uma energia autóctone, ou seja, não é necessário importá-la.

O principal uso da energia eólica é a geração de eletricidade por meio do uso de máquinas eólicas. Isso pode ser feito em larga escala, como nos parques eólicos cuja geração de grandes quantidades de eletricidade é capaz de abastecer uma população de milhões de pessoas, ou em uma escala muito menor, fornecer eletricidade para uma casa.

Atualmente, a energia eólica é a mais madura e eficiente das energias renováveis. Não polui, é inesgotável e reduz o uso de combustíveis fósseis, ajudando a desacelerar o aquecimento global e evitar as emissões de CO2.

Energia eólica como garantia de sustentabilidade ambiental

A energia eólica não polui e retarda o esgotamento dos combustíveis fósseis, ajudando a conter as mudanças climáticas → Energia eólica impede a importação de 10,5 milhões de toneladas de óleo equivalente (TOE)

É uma tecnologia de ponta para evitar a emissão de CO2 → A energia eólica evita a emissão de 29 milhões de toneladas de CO2

A eletricidade gerada com a energia eólica economizou para a Espanha cerca de 1.819 milhões de euros na importação de combustíveis fósseis

Janelas de alumínio: prós e contras

Muitas casas têm janelas de Alumínio. Existem inúmeras vantagens que favorecem a sua instalação, mas também desvantagens importantes. Nós revisamos todos eles.

São três os materiais mais utilizados para a construção de janelas e portas:  alumínio, PVC e madeira . Há muitos anos o alumínio domina o mercado de janelas. No entanto, nos últimos anos essa tendência mudou e houve um forte crescimento de outros materiais, como o PVC.

E por que essa mudança? Principalmente porque finalmente foi desperta a preocupação com a economia de energia e os primeiros regulamentos a esse respeito foram aprovados. E é por isso que o alumínio fez diferentes melhorias para se atualizar, dando origem ao novo alumínio com RPT mais em linha com as normas de economia de energia.

Se falamos em janelas de alumínio, a primeira coisa que devemos deixar claro é que não são todas iguais e que, obviamente, como outros materiais, têm suas vantagens e desvantagens. Neste post vamos tentar explicar suas principais características.

Desvantagens das janelas de alumínio

  • O mais importante é a  perda de temperatura que ocorre no ambiente  doméstico devido à natureza condutiva deste metal, o que gera um maior gasto de energia e dinheiro, pois leva a um maior aproveitamento de aquecimento e ar condicionado no ambiente doméstico.
  • Outra desvantagem é que as janelas de alumínio “suam”, ou seja, produzem  condensação (pequenas gotas de água produzidas pela fusão criada entre duas temperaturas diferentes, a quente interna e a fria externa).
  • Outra desvantagem observada nas janelas de alumínio é que com o tempo  elas podem coçar .

Então, por que o alumínio é o material mais usado para fazer janelas há tantos anos?

Vantagens das janelas de alumínio

  • Ao contrário da madeira, possui uma  camada  protetora de óxido natural que evita que sejam pintados com frequência.
  • É um metal muito  resistente  a choques e geralmente seus  perfis  são bastante estreitos, o que aumenta a luz que entra pela janela. Embora já não seja este o caso, já que a instalação do RPT faz com que os perfis aumentem consideravelmente a sua largura e profundidade.
  • Seu baixo  preço  tem sido um dos pontos fortes deste material. A típica janela corrediça de alumínio assim instalada em Espanha tem um custo muito baixo o que ajudou a sua expansão. O alumínio tradicional é mais barato de produzir, pois requer um investimento mínimo para ser fabricado, ao contrário de outros materiais. No entanto, com o novo alumínio com RPT isso mudou, tornando-se o material mais caro do mercado em sua faixa mais alta.
  • O alumínio é um material  dificilmente inflamável , uma qualidade altamente desejável para a segurança contra incêndios de nossa casa.
  • Além disso, oferece uma grande variedade de cores e é facilmente  moldável ,  permitindo a realização de todo o tipo de desenhos.

A sua fácil disponibilidade, as suas múltiplas formas e cores e o seu baixo preço, aliados à tradição de utilização do alumínio do arquitecto, têm estado na base da sua grande prevalência.

A MOBILIDADE URBANA DO RIO JANEIRO

A história dos meios de transporte do Rio de Janeiro, reflete no desenvolvimento socioeconômico da cidade. Então, até as primeiras décadas dos anos 1800, o meio mais utilizado no Rio de Janeiro para percorrer longas distâncias eram os barcos. Dessa forma, havia locais para atracação de embarcações por toda a Baía de Guanabara, a exemplo de Inhaúma, Penha, Glória, Botafogo, Caju, São Cristóvão e Ilha do Governador, entre outros.

Antes de tudo, a montaria a cavalo, as charretes e os carros de boi também eram usados regularmente, principalmente no interior da cidade, onde não tinha acesso à Baía de Guanabara. Além disso, no Centro, muitas carroças também eram utilizadas para fazer o serviço de carga.

Por outro lado, com a chegada da Corte portuguesa ao Rio no ano de 1808, a cidade começou a se desenvolver. Desse modo, a demanda por um sistema de transporte público, com horários regulares, que melhorasse a mobilidade urbana, passou a ser cada vez mais necessário. Então, iniciou a modernização no transporte da cidade.

A princípio, o primeiro ônibus a chegar ao Rio de Janeiro foi em 1837. Era composto por quatro rodas e dois andares. Além disso, era puxado por quatro animais e podia levar até 23 passageiros. Os trajetos eram entre a Praça Tiradentes e os bairros de Botafogo, Tijuca (Engenho Velho) e São Cristóvão. Entretanto, com a chegada dos bondes deixou de circular pelo Centro.

Atualmente, a quantidade de linhas de ônibus é diversa, fazendo os mais variados itinerários. Dentre as opções de transporte público no Rio de Janeiro, sem dúvidas é a mais utilizada. De fato, está presente em todos os bairros da cidade.

Os trens foram o primeiro transporte de massa do Rio de Janeiro. Desse modo, o trajeto inaugural da Estrada de Ferro D. Pedro II ocorreu em 1858, entre a Estação da Aclamação, que atualmente é a estação Central do Brasil, e Queimados, com transporte de cargas e passageiros. Além disso, no mesmo ano também foram inauguradas as estações Engenho Novo e Cascadura e, nos anos subsequentes, várias outras entraram em operação.

Em 1892, os primeiros bondes elétricos entraram em circulação na cidade. É evidente que eram baratos e bem mais rápidos que os bondes puxados por tração animal. Desse modo, ao longo dos anos, foram instaladas uma infinidade de linhas que passavam por todas as zonas da cidade.

Alguns bairros cariocas eram servidos por várias delas. Entretanto, na década de 60, os bondes começaram a sair de circulação da cidade. Atualmente, eles circulam apenas pelo bairro de Santa Teresa.

No século XX, o Rio Janeiro ganhou modais mais modernos, como o Metrô. Dessa forma, a inauguração das primeiras estações da Linha 1 ocorreram em 1979, ligando a Glória até a Praça XI. Bem como, com a expansão do trajeto para novos bairros e com o início da operação da Linha 2, em 1984, o transporte de massas do Rio de Janeiro foi revolucionado. Além disso, já no século XXI a Linha 4 foi inaugurada, no ano de 2016, levando o metrô até a Barra da Tijuca.

O BRT foi introduzido em 2012, com o objetivo de promover um meio de transporte de massa mais sustentável. Além disso, faz parte de uma reformulação na mobilidade urbana das zonas norte e oeste. De fato, trata-se de um ônibus de grande capacidade, com dois módulos, que opera em faixas segregadas na superfície.

Com inspiração nos clássicos bondes e inaugurado em 2016, o VLT circula pelo Centro, conectando os diversos pontos de chegada à região. O projeto foi criado para reduzir a quantidade de carros e de veículos na região central. Dessa forma, promovendo uma forma de locomoção mais sustentável na cidade.

As barcas  remetem aos tradicionais barcos que circulavam na Baía de Guanabara no Rio no passado. Elas partem da Praça XV, no centro, em direção a Niterói. De fato, é usual para quem não quer enfrentar o engarrafamento caótico da ponte Rio Niterói.

Por outro lado, as vans são transportes alternativos, que são muito utilizadas por moradores da zona norte e oeste da cidade. Dessa forma, eles servem de apoio aos outros transportes públicos. De fato, as vans se juntam aos táxis, carros de aplicativos e moto táxis para servirem como opção para a população.

Com certeza, existem bairros com melhores infraestruturas de transporte, com variedade e qualidade dos meios. Por exemplo, o Leblon, que é o m2 mais valorizado do Rio, tem uma ótima malha de transporte à disposição dos moradores dos inúmeros condomínios da região. Então, morar em um dos Apartamentos Areia Leblon será um privilégio. De fato, o lançamento é muito aguardado pelo mercado imobiliário, pois o empreendimento fica na Avenida Bartolomeu Mitre, uma importante via do Leblon.